Total de visualizações de página

Longa Noite de Trevas de 8 Anos Chega ao Fim em Ipanema MG.

Não há mal que sempre dure, nem Perseguição que nunca acabe!


Foram 8 longos anos de trevas , 2920 dias...

Pesquisar este blog

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Edital para Vestibular de Cursos a Distância UFJF que será realizado no dia 18 de outubro em 12 cidades mineiras.

1
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA
EDITAL N.º 02 – PROGRAMAS DE INGRESSO – PROGRAD
CONCURSO VESTIBULAR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA 2009
A Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF, de acordo com o
previsto no art. 15, inciso V, do Estatuto da universidade, TORNA PÚBLICO o Concurso Vestibular para
preenchimento de vagas nos Cursos de Licenciatura em Química, Enfermagem e Bacharelado em
Administração Pública, na modalidade a Distância (EAD), nos Polos de Apoio Presencial da Universidade
Aberta do Brasil (UAB), situados nas cidades de Araxá, Barroso, Bicas, Boa Esperança, Buritis, Ilicínea,
Ipanema, Juiz de Fora, Ouro Preto, Santa Rita de Caldas, São João da Ponte e Sete Lagoas, no estado de
Minas Gerais, em regime semipresencial, a iniciar-se no 2º período letivo de 2009, que obedecerá às normas e às
instruções do presente EDITAL.
CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 1º - O ingresso no Curso de Graduação na modalidade a Distância será através de Concurso
Vestibular de PROVAS E TÍTULOS.
Art. 2º - O Concurso Vestibular para ingresso nos cursos de Licenciatura em Química, Enfermagem e
Bacharelado em Administração Pública, na modalidade a Distância da Universidade Federal de Juiz de Fora,
será regido pelas normas e instruções constantes do presente Edital.
Art. 3º - O Concurso Vestibular de cursos na modalidade a Distância será aberto única e exclusivamente
para o preenchimento de vagas, conforme o Quadro I:
QUADRO I – DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS
Habilitação Curso Pólo Vagas Total vagas
Licenciatura
Enfermagem
Araxá - MG 25
225
Boa Esperança – MG 25
Buritis – MG 25
Ilicínea – MG 25
Ipanema – MG 25
Ouro Preto – MG 25
Santa Rita de Caldas - MG 25
São João da Ponte – MG 25
Sete Lagoas - MG 25
Química
Barroso – MG 35
140
Ilicínea – MG 35
Juiz de Fora – MG 35
Sete Lagoas – MG 35
2
Bacharelado Administração
Pública
Bicas – MG 50
250
Juiz de Fora – MG 200
§ 1º - O endereço de funcionamento e de atividades de cada Polo de Apoio Presencial da UAB consta no
Anexo I.
§ 2º - O candidato concorrerá apenas às vagas destinadas ao curso e ao Polo para o qual originariamente
tenha se inscrito.
§ 3º - É vedado ao candidato pleitear o seu ingresso na UFJF através de outro curso ou modalidade para
o qual tenha se inscrito originalmente, independente da pontuação obtida.
Art. 4º - As condições de participação no Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância de
que trata este Edital, os critérios de aprovação, classificação, eliminação e/ou exclusão, bem como as demais
normas e instruções pertinentes constarão dos Capítulos e das Seções seguintes.
CAPÍTULO II
DOS CRITÉRIOS E DAS PROVAS
Art. 5º - O Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância constará de 2 (duas) provas
presenciais e 1 (uma) Avaliação Acadêmica e Profissional, perfazendo um total de 100 (cem) pontos.
Art. 6º - As duas provas presenciais totalizam 80 (oitenta) pontos e são comuns a todos os candidatos.
§ 1º - A primeira prova presencial será constituída de questões objetivas, compreendendo os conteúdos
de Biologia, Física, Geografia, História, Matemática e Química. Cada conteúdo constará de 8 (oito) questões,
exceto Matemática que constará de 10 (dez) questões, valendo cada uma 1 (um) ponto e perfazendo um total de
50 (cinquenta) pontos.
§ 2º - A segunda prova presencial compreenderá o conteúdo de Língua Portuguesa e Literaturas,
distribuído em 15 (quinze) questões objetivas, valendo cada uma 1 (um) ponto, e 1 (uma) Redação, valendo 15
(quinze) pontos, perfazendo um total de 30 pontos.
§ 3º - A Avaliação Acadêmica e Profissional, de acordo com critérios especificados no Quadro II para o
curso de Bacharelado em Administração Pública, no Quadro III para o curso de Licenciatura em
Enfermagem, e no quadro IV para o curso de Licenciatura em Química, totalizará no máximo 20 (vinte)
pontos.
§ 4o - As provas serão elaboradas de acordo com o programa estabelecido para o Concurso Vestibular
2009 da Universidade Federal de Juiz de Fora, disponível no site www.vestibular.ufjf.br, excluindo-se somente
o que se refere às obras literárias e ao descrito no Anexo II.
§ 5º - As provas terão duração máxima de 3 (três) horas e serão realizadas em um único dia, nos
horários das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas, respectivamente, no Polo onde o candidato fizer sua inscrição.
§ 6º - As provas serão realizadas nas cidades de Araxá, Barroso, Bicas, Boa Esperança, Buritis,
Ilicínea, Ipanema, Juiz de Fora, Ouro Preto, Santa Rita de Caldas, São João da Ponte e Sete Lagoas,
estado de Minas Gerais, em local a ser divulgado no Comprovante Definitivo de Inscrição do Candidato, que
será obtido, exclusivamente, pela Internet.
§ 7º - As provas de Língua Portuguesa e Literaturas e a de Redação terão caráter eliminatório, não
podendo o candidato obter nota zero em nenhuma de suas partes - questões objetivas e/ou Redação.
§ 8º - Será eliminado o candidato que faltar a qualquer uma das provas aplicadas.
§ 9º - Não será permitido ao candidato levar os cadernos de provas. As respostas poderão ser anotadas,
para posterior conferência, em espaço indicado, a ser destacado da capa desses cadernos.
3
Art. 7º - A Redação, as provas objetivas, bem como os cartões de respostas das provas objetivas, serão
de propriedade da COPESE, que dará a eles, passados 60 (sessenta) dias da data da divulgação do resultado final
do Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância, a destinação que lhe convier.
Art. 8o. – A Avaliação Acadêmica e/ou Profissional valerá até 20 (vinte) pontos, distribuídos conforme
os Quadros II e III que se seguem:
QUADRO II – AVALIAÇÃO PROFISSIONAL PARA: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.
Critérios Pontuação
Tempo de serviço
Tempo de serviço no poder público (executivo/legislativo/judiciário), nas três esferas de governo
(municipal/ estadual/ federal)
1 ponto a cada ano de efetivo
exercício, até o limite de 10
pontos.
Vinculação Contratual
Servidor efetivo 10 pontos
Funcionário contratado, inclusive das empresas terceirizadas. 05 pontos
Para efeito da aplicação dos critérios de pontuação serão considerados como:
• Servidor efetivo o servidor investido em cargo público em qualquer dos três poderes e esferas do Governo;
• Funcionário contratado o trabalhador contratado diretamente pelo Órgão ou pertencentes ao quadro funcional de empresas
terceirizadas que prestam serviço ao órgão por um período igual ou superior a 1 (um) ano.
QUADRO III – AVALIAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL PARA: ENFERMAGEM
Critérios Pontuação
Tempo de conclusão da graduação em Enfermagem
• Há mais de 8 anos 8 pontos
• Mais de 5 e até 8 anos 6 pontos
• Mais de 2 e até 5 anos 2 pontos
• Mais de 1 e até 2 anos 1 ponto
• Até 1 ano 0 ponto
Vinculação com a Rede Pública de Saúde no Pólo de Apoio Presencial
• Enfermeiro efetivo do Município 12 pontos
• Enfermeiro contratado do Município 4 pontos
• Enfermeiro efetivo do Estado 5 pontos
Vinculação com a Rede Pública de Saúde fora do Pólo de Apoio Presencial
• Enfermeiro efetivo do Município 4 pontos
• Enfermeiro contratado do Município 2 pontos
Vinculação com o Pólo de Apoio Presencial ou área de abrangência
• Professor em Curso Técnico de Enfermagem 5 pontos
• Professor em Curso de Auxiliar em Enfermagem 3 pontos
QUADRO IV – AVALIAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL PARA: QUÍMICA
Critérios Pontuação
Tempo de conclusão do Ensino Médio:
Há mais de 8 anos 8 pontos
Mais de 5 anos e até 8 anos 6 pontos
Mais de 2 anos e até 5 anos 2 pontos
Mais de 1 ano até 2 anos 1 ponto
Até 1 ano 0 ponto
Vinculação com a Rede Pública de Ensino no Pólo de Apoio Presencial de inscrição
Professor efetivo do Município 12 pontos
Professor contratado do Município 4 pontos
Professor efetivo do Estado 5 pontos
Professor contratado do Estado 3 pontos
Vinculação com a Rede Pública de Ensino fora do Pólo de Apoio Presencial de inscrição
Professor efetivo 2 pontos
Professor contratado 1 ponto
Vinculação com a área abrangida no presente Concurso
Lecionar nas séries iniciais do Ensino Fundamental 5 pontos
Lecionar outra disciplina 2 pontos
4
§ 1º - Caso a aplicação dos critérios previstos nos Quadros II ou III resulte numa pontuação superior a
20 (trinta) pontos, adotar-se-á, para efeito de classificação, a pontuação máxima de 20 (vinte) pontos.
§ 2º - O candidato deverá entregar uma cópia dos documentos comprobatórios para a Avaliação
Acadêmica e Profissional, devidamente autenticada, no período de 15 de setembro de 2009 a 07 de Outubro
de 2009, na Secretaria do Polo de Apoio Presencial da UAB onde se inscreveu, no horário de funcionamento
desta. Toda a documentação recebida será encaminhada pela Coordenação do Polo de Apoio Presencial ao
Núcleo de Educação a Distância da Universidade Federal de Juiz de Fora (NEAD, Campus Universitário/UFJF,
Prédio do CRITT, S/N, Bairro Martelos – Juiz de Fora – MG – CEP: 36.036-900), via SEDEX, no dia seguinte
ao encerramento da data de entrega dos documentos.
§ 3º - Serão aceitos os seguintes documentos comprobatórios: cópias autenticadas de todos os
documentos, os quais são: diploma ou certificado de conclusão de curso e/ou declaração, contracheque ou
declaração de vínculo, especificando a situação funcional do candidato (contratado ou efetivo) que esteja ativo e
a data de início de suas atividades na rede pública.
§ 4º - O julgamento da Avaliação Acadêmica e Profissional dos candidatos será feito por uma Banca
composta por 3 (três) membros para cada curso, formada pelo Coordenador Acadêmico do Núcleo de Educação
a Distância da UFJF e por 2 (duas) pessoas indicadas pela coordenação do respectivo curso.
§ 5º - O candidato que não entregar os documentos comprobatórios no prazo definido no § 2º deste
artigo terá nota 0,0 (zero) computada na Avaliação Acadêmica e Profissional.
§ 6º - Os documentos entregues não serão devolvidos e ficarão de posse do Núcleo de Educação a
Distância da UFJF, que dará a eles, passados 60 (sessenta) dias da data de divulgação do resultado final do
Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância, a destinação que lhe convier.
Art. 9º - A Avaliação Acadêmica e Profissional será de total responsabilidade do Núcleo de Educação a
Distância da UFJF.
CAPÍTULO III
DA INSCRIÇÃO E DA CONFIRMAÇÃO
Art. 10 - O candidato é o único responsável pelo correto e completo preenchimento do Requerimento de
Inscrição. Após a efetivação da inscrição, não serão permitidas alterações.
Art. 11 - A inscrição implica o reconhecimento e a aceitação pelo candidato das condições totais
previstas neste Edital.
Art. 12 - Poderá se inscrever no Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância o candidato
que tenha concluído o Ensino Médio ou equivalente até o final do período previsto para as inscrições, exceto
para o Curso de Licenciatura em Enfermagem, para o qual o candidato deverá ser Bacharel em Enfermagem.
Art. 13 - A inscrição para o Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância será realizada
no período das 9h do dia 15 de setembro de 2009 até às 16h do dia 07 de Outubro de 2009, somente pela
Internet, de acordo com as instruções a seguir:
I. Das 9h do dia 15 de setembro de 2009 até às 16h do dia 07 de Outubro de 2009,
acessar a página www.vestibular.ufjf.br, ler atentamente o Roteiro de Instruções e
preencher o Formulário, que contém o Requerimento de Inscrição, com seus dados
completos e enviá-los eletronicamente, efetivando, assim, o seu cadastramento;
II. Imprimir o boleto bancário – R$50,00 (cinquenta reais), valor correspondente à
Taxa de Inscrição;
III. No período de 15 de setembro de 2009 a 07 de Outubro de 2009, providenciar o
pagamento desse boleto.
5
Art. 14 - A inscrição só será efetivada após o pagamento do boleto bancário, respeitado o prazo
determinado no art.12, inciso III. Pagamentos efetuados após o dia 07 de Outubro de 2009 serão
desconsiderados, o que implicará a não efetivação da inscrição.
§ 1º - Será da inteira responsabilidade do candidato a efetivação do pagamento do boleto bancário.
§ 2º - Em hipótese alguma será devolvida a taxa de inscrição.
§ 3º - O candidato que tiver cheque devolvido ou agendamento bancário não efetivado correspondente
ao pagamento do boleto, qualquer que seja o motivo, terá sua inscrição cancelada. A UFJF não se responsabiliza
por erros do sistema bancário.
Art. 15 – A UFJF não se responsabiliza por solicitação de inscrição não recebida devido a falhas de
comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, bem como a outros fatores de ordem técnica que
impossibilitem a transferência de dados.
Art. 16 – Após a efetivação da inscrição, não serão permitidas alterações de curso e/ou opção de local de
realização das provas.
Art. 17 - Em caso de dois ou mais Requerimentos de Inscrição de um mesmo candidato para o Concurso
Vestibular para cursos na modalidade a Distância, será considerado somente o Requerimento de Inscrição
efetivado mais recentemente.
Art. 18 - As inscrições encerrar-se-ão, improrrogavelmente, na data e horário fixados neste Edital.
Art. 19 - O Comprovante Definitivo de Inscrição do Candidato deverá ser retirado na Internet a partir das 9h
do dia 15 de Outubro de 2009, no site www.vestibular.ufjf.br.
Parágrafo Único – O candidato deverá preencher o Questionário Socioeconômico e Cultural, com
informações complementares, para acesso ao Comprovante Definitivo de Inscrição.
Art. 20 - O Comprovante Definitivo de Inscrição é documento necessário para o candidato participar das
provas.
§ 1º - É obrigação do candidato conferir as informações do Comprovante Definitivo de Inscrição: nome,
documento de identidade, opção de curso, data, horário e local de realização das provas.
§ 2º - O número de inscrição no Comprovante Definitivo de Inscrição difere do número do
Requerimento de Inscrição.
CAPÍTULO IV
DA REALIZAÇÃO DAS PROVAS
Art. 21 - As provas serão realizadas nas cidades de Araxá, Barroso, Bicas, Boa Esperança, Buritis,
Ilicínea, Ipanema, Juiz de Fora, Ouro Preto, Santa Rita de Caldas, São João da Ponte e Sete Lagoas, no
estado de Minas Gerais.
§ 1º - O candidato somente poderá fazer a prova no local indicado no Comprovante Definitivo de
Inscrição.
§ 2º - O candidato que não comparecer às provas no dia, horários e locais indicados no Comprovante
Definitivo de Inscrição terá sua inscrição automaticamente cancelada.
§ 3º - A data e horário das provas são determinados no Quadro V, a seguir:
6
QUADRO V – LOCAL E HORÁRIO DE PROVAS
Data das provas Horário Questões por conteúdo
18 de Outubro de 2009 9h às 12h Biologia (8) + Física (8) + Geografia (8) + História (8) + Matemática (10) + Química (8)
18 de Outubro de 2009 14h às 17h Língua Portuguesa e Literaturas (15) + Redação (15)
Art. 22 - O candidato terá acesso ao local onde fará suas provas mediante a apresentação do
Comprovante Definitivo de Inscrição e do Documento de Identidade indicado no Requerimento de Inscrição.
Durante o período de realização das provas, o Documento de Identidade deverá ficar disponível para
conferência pelos Fiscais de sala e/ou Coordenação.
§ 1º - Após o início de cada prova, haverá um período de 15 (quinze) minutos de tolerância para a
entrada de candidatos, findo o qual não serão, em hipótese alguma, admitidos retardatários. O candidato deverá
chegar ao local da prova com 1 hora de antecedência.
§ 2º - Os candidatos deverão permanecer no local de realização das provas no mínimo 1h30min (uma
hora e trinta minutos) após o início da aplicação das provas.
Art. 23- Em nenhuma hipótese será realizada segunda chamada de qualquer das provas aplicadas no
Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância.
Art. 24 - Durante a realização das provas, somente será permitido o uso de caneta azul ou preta de
corpo transparente, lápis e borracha.
§ 1º - Durante a realização das provas não será permitido o uso de boné, chapéu, óculos escuros e
relógios de qualquer tipo.
§ 2º - É vedado ao candidato, durante a realização das provas, portar e/ou manter junto a si armas e
aparelhos eletrônicos, tais como: celulares, calculadoras, beeps, pagers, walkmans, mp3, mp4 e similares. Será
excluído, automaticamente, o candidato que estiver enquadrado nessas situações.
§ 2º - Todos os pertences, exceto aqueles citados no caput deste artigo, além de documento de
identidade e Comprovante de Inscrição, deverão ser acondicionados em saco plástico fornecido pela
Coordenação do Setor.
§ 3º - Os candidatos que possuírem cabelos compridos deverão mantê-los presos durante a realização
das provas, deixando as orelhas à vista.
§ 4º - É aconselhável aos candidatos a retirada de qualquer tipo de adorno em suas orelhas durante a
realização das provas. O fiscal fica autorizado a proceder à verificação de qualquer tipo de adorno, com vistas à
segurança e ao sigilo das provas.
§ 5º - Para o preenchimento do Cartão de Respostas de todas as provas objetivas, bem como para a
versão definitiva da Redação, somente será permitido o uso de caneta esferográfica azul ou preta.
Art. 25 - O candidato que necessitar atendimento especial para fazer as provas, por ser portador de
necessidades especiais ou por motivo grave de saúde, deverá requerê-lo junto à COPESE no ato da inscrição
mediante os seguintes procedimentos:
a) O atendimento às condições especiais solicitadas pelo candidato para realizar as provas ficará
sujeito à análise de viabilidade e de razoabilidade do pedido.
b) Preencher e entregar o respectivo requerimento, devidamente fundamentado, indicando as
especificidades do atendimento requerido, até o dia 07 de Outubro de 2009, nas seguintes formas:
I. enviar pelos Correios, através do Serviço SEDEX, com data de postagem até o dia 07
de Outubro de 2009, e com o seguinte endereçamento: “COPESE – Universidade
Federal de Juiz de Fora, Caixa Postal nº 10 – Juiz de Fora –MG - CEP: 36001-970”,
ou
II. o formulário de requerimento referido na alínea “a” estará disponível no endereço
eletrônico www.vestibular.ufjf.br.
7
Parágrafo Único - A candidata que tiver necessidade de amamentar, durante a realização das provas,
deverá solicitar atendimento especial no ato da inscrição e levar um acompanhante, que ficará em sala reservada
para essa finalidade como responsável pela guarda da criança. O tempo gasto nessa atividade não será acrescido
ao de realização de sua prova. A candidata que comparecer sem acompanhante não realizará as provas.
CAPÍTULO V
DA CLASSIFICAÇÃO E DA PUBLICAÇÃO DOS RESULTADOS
SEÇÃO I
DA CLASSIFICAÇÃO
Art. 26 - A classificação final dos candidatos inscritos no Concurso Vestibular para cursos na
modalidade a Distância será feita em ordem decrescente do total dos pontos obtidos nas duas provas presenciais
e na Avaliação Acadêmica e Profissional até o limite de vagas fixado para o curso, obedecendo-se ao disposto
no art. 3º deste Edital.
§ 1º - Para o curso de Bacharelado em Administração Pública, as questões de Língua Portuguesa,
Redação, História, Geografia e Matemática terão peso 2 (dois) e as demais peso 1 (um).
§ 2º - Para o curso de Licenciatura em Química, as questões de Matemática, Física, Química, Língua
Portuguesa e a Redação terão peso 2 (dois) e as demais peso 1 (um).
§ 3º - Para o curso de Licenciatura em Enfermagem, as questões de Biologia, Geografia, História,
Língua Portuguesa e a Redação terão peso 2 (dois) e as demais peso 1 (um).
§ 4º - Em caso de empate, o desempate será realizado levando-se em conta, sucessivamente, os pontos
obtidos nas provas de peso 2 (dois) e depois de peso 1(um), segundo a ordem constante nos § 1º, § 2º e § 3º
deste artigo.
§ 5º - Permanecendo o empate, será levado em consideração o candidato mais idoso.
SEÇÃO II
DA PUBLICAÇÃO DOS RESULTADOS
Art. 28 - A divulgação das notas das provas, das notas da Avaliação Acadêmica e Profissional e do
resultado final do Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância somente será feita pela Internet no
endereço www.vestibular.ufjf.br, com acesso amplo e irrestrito.
§ 1º - O gabarito das provas objetivas do Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância
será divulgado no dia 18 de Outubro de 2009, a partir das 18h, pela Internet, no endereço
www.vestibular.ufjf.br.
§ 2º - A nota da Redação e a pontuação referente à Avaliação Acadêmica e Profissional dos candidatos
inscritos no Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância serão divulgadas no dia 28 de Outubro
de 2009, a partir das 9h, pela Internet, no endereço www.vestibular.ufjf.br.
§ 3º - O resultado final do Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância será divulgado no
dia 03 de Novembro de 2009, a partir das 11h, pela Internet, no endereço www.vestibular.ufjf.br.
CAPÍTULO VI
DOS RECURSOS
Art. 29 – Caberá recurso à Pró-Reitoria de Graduação, relativo ao Concurso Vestibular para cursos na
modalidade a Distância, de acordo com os critérios, formas e condições estabelecidas nos artigos seguintes.
Art. 30 - Os recursos concernentes às questões das provas objetivas e aos gabaritos do Concurso
Vestibular para cursos na modalidade a Distância deverão ser feitos pelo candidato, através de requerimento
enviado via fax, para o número de telefone (32) 2102-3755, no dia 19 de Outubro de 2009, das 9h às 12h e das
8
14h às 18h, mediante as seguintes condições:
I. O recurso será interposto através de requerimento que deve conter o nome, a inscrição do
candidato e telefone de contato, fazendo-se acompanhar, imprescindivelmente, das
respectivas razões, específicas para cada questão contestada, sob pena de não
conhecimento;
II. É de responsabilidade do requerente a confirmação do envio do requerimento via fax;
III. O Pró-Reitor de Graduação assegurará o julgamento do recurso no prazo de até 24 (vinte e
quatro) horas após sua interposição.
§ 1º - Da decisão do Pró-Reitor de Graduação não caberá recurso administrativo.
§ 2º - Em caso de anulação de questão(ões) objetiva(s), o(s) ponto(s) da(s) questão(ões) anulada(s)
será(ão) computado(s) à nota do conteúdo para os candidatos que tenham comparecido àquela prova.
Art. 31 - O recurso com pedido de revisão concernente à nota da Redação e/ou pontuação da Avaliação
Acadêmica e Profissional deverá ser interposto através de requerimento próprio disponibilizado na Internet,
www.vestibular.ufjf.br, no dia 29 de Outubro de 2009, das 9h às 12h e das 14h às 18h, exclusivamente por
candidatos inscritos, mediante as seguintes condições:
I. Recolhimento de taxa no valor de R$20,00 (vinte reais) para o Concurso Vestibular para
cursos na modalidade a Distância, através de depósito em conta bancária, conforme constante
no requerimento referido no caput deste artigo;
II. O recurso será interposto através de requerimento próprio, que conterá o nome e a inscrição do
candidato;
III. O Pró-Reitor de Graduação assegurará julgamento do recurso no prazo de até 24 (vinte e
quatro) horas após sua interposição.
§ 1º - Da decisão do Pró-Reitor de Graduação não caberá recurso.
§ 2º - Confirmada a procedência da reclamação registrada no requerimento de revisão, o candidato terá
sua nota e/ou pontuação da Avaliação Acadêmica e Profissional alterada(s) e devolvida a taxa paga através dos
dados bancários fornecidos por ele.
§ 3º - A nota da prova e/ou a pontuação da Avaliação Acadêmica e Profissional do candidato, quando do
recurso de revisão, poderá ser aumentada, mantida ou diminuída, sendo que a(s) alteração(ões) ocorrida(s), se
for o caso, será(ão) publicada(s) com o resultado final.
CAPÍTULO VII
DA EXCLUSÃO
Art. 32 - Será excluído do processo seletivo o candidato que:
a) faltar a qualquer uma das provas presenciais;
b) obtiver nota zero nas provas presenciais de Língua Portuguesa e Literaturas e de Redação ou faltar a
qualquer uma das provas presenciais.
Art. 33 - Será eliminado do Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância 2009 o
candidato que:
I. for surpreendido, durante a realização das provas, em comunicação com outras pessoas, bem
como utilizando-se de livros, anotações ou impressos não permitidos,
II. estiver portando aparelhos eletrônicos, ainda que desligados, tais como: celulares, calculadoras,
beeps, pagers, walkmans, mp3, mp4 e similares, equipamentos de cálculo, escuta eletrônica, ou
qualquer equipamento que permita e/ou recepção de dados e/ou voz, bem como relógios de
qualquer tipo;
III. ausentar-se do local de prova sem autorização e acompanhamento de fiscal;
IV. deixar de apresentar qualquer documento que comprove atendimento a todos os requisitos
fixados;
9
V. utilizar, em qualquer época, mesmo após a matrícula, documentos ou informações falsos ou
outros meios ilícitos;
VI. recusar-se a permanecer na sala de aplicação das provas pelo tempo mínimo exigido, nos termos
do § 2º do art. 19;
VII. praticar quaisquer atos que contrariem as normas do presente Edital e da folha de rosto do
caderno de provas.
Parágrafo Único - O candidato que se recusar a continuar na sala de prova, nos termos do inciso VI
deste artigo, deverá permanecer no Setor de provas sob pena das punições previstas para quebra de sigilo.
DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 34 - As disposições e instruções contidas na folha de rosto dos cadernos de provas constituem
normas que passam a integrar o presente Edital.
Art. 35 - Incorporar-se-ão a este Edital, para todos os efeitos, quaisquer editais complementares ou
avisos oficiais que vierem a ser publicados pelo Pró-Reitor de Graduação da Universidade Federal de Juiz de
Fora, inclusive as publicações através do site www.vestibular.ufjf.br.
Parágrafo Único - A publicação de editais complementares ou de avisos oficiais a que se refere o caput
deste artigo será efetivada pela mesma forma de publicação do presente Edital.
Art. 36 - Será efetuada identificação, através de coleta digital de todos os candidatos, nos dois turnos de
aplicação das provas. O candidato que se negar a ser identificado terá sua prova do momento anulada e, com
isso, será automaticamente eliminado do Concurso Vestibular para cursos na modalidade a Distância.
Art. 37 - Durante a realização das provas, a COPESE poderá realizar filmagens e/ou fotografar as salas.
Art. 38 - Qualquer irregularidade - fraude, quebra de sigilo - cometida por professores, técnicoadministrativos
em educação ou alunos da Universidade Federal de Juiz de Fora e/ou pessoas contratadas para
tal finalidade, constatada antes, durante ou após a realização do Concurso Vestibular para cursos na modalidade
a Distância, será objeto de inquérito administrativo e/ou policial, nos termos da legislação pertinente, e o
infrator estará sujeito às penalidades previstas na respectiva legislação.
Parágrafo Único - As pessoas não referidas no caput deste artigo sujeitar-se-ão a sanções previstas na
legislação pertinente.
Art. 39 - A matrícula dos candidatos aprovados e classificados será feita no Polo de Apoio Presencial de
inscrição, nos dias 04 de Novembro de 2009 e 05 de Novembro de 2009, no horário de funcionamento dos
referidos Polos.
Parágrafo Único: Os documentos exigidos para matrícula são os discriminados no Anexo III.
Art. 40 - É vedada a participação, em bancas de elaboração e de correção das provas de que trata este Edital,
de professores que sejam cônjuges, companheiros, parentes consanguíneos ou afins, na linha reta ou colateral, até o
2o grau inclusive, ou parentes, por adoção, de candidatos inscritos neste Concurso Vestibular para cursos na
modalidade a Distância.
Parágrafo único: Sujeitam-se às mesmas condições do caput todos os servidores e/ou contratados para tal
finalidade que tenham de alguma forma contato direto com as provas.
Art. 41 - Os casos omissos serão resolvidos pela Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal de
Juiz de Fora.
Juiz de Fora, 10 de Setembro de 2009.
Eduardo Magrone
Pró-Reitor de Graduação
10
ANEXO I
PÓLOS DE APOIO PRESENCIAL UAB
CONCURSO VESTIBULAR PARA CURSOS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA 2009
Pólo Endereço Telefone
Araxá Av. Getúlio Vargas, 365 – Centro
CEP: 38.183-192
(34) 3691-7043
Barroso Rua Joaquim Ferreira, 240 – Centro
CEP 36.010-110
(32) 33511524
Bicas Rua Cônego Pinho, s/n – Centro –
CEP: 36.600-000
(32) 3271-3249
Boa Esperança Av.Marechal Floriano Peixoto, 140
CEP: 37.170-000
(35) 3851-8073
Buritis Rua Ouro Preto, 211 - Bairro Veredas
CEP: 38.660-000
(38) 3662-3469
Ilicínea Av. XV de novembro, 1457 - Jardim Primavera
CEP: 37.175-000
(35) 8455-9406
Ipanema Escola Monsenhor Antônio - Rua Santos Dumont,
252 CEP: 36.950-000
(33) 3314-1334
Juiz de Fora Av. Getúlio Vargas, 200, 1o. Piso, Espaço
Mascarenhas – Centro
CEP 36.010-110
(32) 36907433
Ouro Preto Rua Teixeira Amaral, 91 - Centro.
CEP: 35400-000
(31) 3559-3212
Santa Rita de
Caldas
Rua Prefeito Sebastião Januzzi, 20 - Centro
CEP: 37775-000
(35) 3734-1209
ramal 22
São João da Ponte Travessa Antônio Magalhães, 29 - Centro
CEP: 39.430-000
(38) 3234-1097
Sete Lagoas Av. Prefeito Alberto Moura, 1111 - Distrito
Industrial/CDI. CEP: 35.702-216
(31) 3773-0424
3773-8715
11
ANEXO II
PROGRAMAS
CONCURSO VESTIBULAR PARA CURSOS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA 2009
BIOLOGIA
COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA ÁREA DE BIOLOGIA
Consideramos três categorias ou níveis de competências: (1) Nível Básico, (2) Nível Operacional e (3) Nível Global:
(1) Nível BÁSICO (construção de conceitos) – competências ou habilidades de:
• Definir, identificar, apontar, reconhecer e caracterizar estruturas, processos e sistemas biológicos, problemas e conceitos
relacionados à leis, teorias, fenômenos e fatos biológicos.
• Descrever processos, fenômenos e situações e identificar as descrições correspondentes
(2) Nível OPERACIONAL (operar com os conceitos) – competências ou habilidades de:
• Diferenciar, discriminar e comparar estruturas, processos, fenômenos e grupos de seres vivos, apontando semelhanças e
diferenças.
• Estabelecer relações e ordenar processos, fenômenos, estruturas, componentes biológicos e grupos de seres vivos;
• Classificar os seres por critérios biológicos estabelecidos;
• Estimar a grandeza ou a quantidade de objetos através de operações matemáticas.
• Compreender e explicar etapas, eventos e processos biológicos e diferenças estruturais dos organismos.
(3) Nível GLOBAL (aplicação/contextualização dos conhecimentos, formar julgamento) – competências ou habilidades de:
• Associar e aplicar conceitos, leis, fundamentos, e experiências na solução de problemas e novas situações;
• Analisar situações problema que envolvam conceitos e princípios biológicos - problemas ambientais e a relação entre os seres
vivos e entre estes e o ambiente.
• Analisar e interpretar experimentos, esquemas, gráficos, tabelas situações e simulações
• Avaliar e formar julgamento sobre fatos para a tomada de decisões a respeito dos problemas ocorridos.
TEMA GERAL:
BIOLOGIA CELULAR E HISTOLOGIA, articulando conhecimentos entre os componentes celulares e os tecidos animal e
vegetal.
1. CITOLOGIA
(B e G) - Significado biológico das propriedades físico-químicas da água: calor específico, calor de vaporização, dissolução, tensão
superficial, polaridade.
2. MEMBRANA PLASMÁTICA
(B e O) - Reconhecer a composição e a organização da membrana plasmática, relacionando sua constituição com as funções básicas que
exerce na célula.
(B, O e G) - Relacionar a composição do glicocálice com a sua função na membrana plasmática.
(B, O e G) - Identificar as diferentes especializações (microvilosidades, desmossomos, zona de adesão, zona de oclusão, junção
comunicante) da membrana plasmática, reconhecendo suas funções.
(O e G) - Comparar os diferentes tipos de transporte (passivo, difusão simples, difusão facilitada, canal iônico, transporte ativo) que
ocorrem na membrana plasmática.
3. CITOESQUELETO
(B) - Reconhecer a composição e função do citoesqueleto.
(O) - Reconhecer os diferentes tipos de movimento celulares.
12
4. SÍNTESE DE PROTEÍNAS E SECREÇÃO CELULAR
(B e O) - Caracterizar os diferentes tipos de ácidos nucléicos (DNA e RNA), compreender a sua composição e as funções na transmissão
de informação nos processos biológicos (Duplicação, Transcrição e Tradução).
(O e G) - Associar as características morfofuncionais dos ribossomos e retículo endoplasmático rugoso à síntese de proteína.
(O e G) - Associar as características morfofuncionais do complexo de Golgi à secreção celular e estabelecer relações entre o retículo
rugoso e o complexo de Golgi.
(B, O e G) - Identificar nas enzimas: conceito, especificidades enzima-substrato, funções e fatores que afetam a ação enzimática
(Temperatura, pH, concentração de substrato).
(G) - Explicar as relações entre vitaminas (A, B1, B2, B3, B6, B12, C, D, E e K) x alimentação x doenças.
5. SÍNTESE DE LIPÍDIOS
(O) - Caracterizar funcionalmente os lípides (glicerídeos, fosfolipídios, cerídeos e esteróides).
(O e G) - Associar as características morfofuncionais do retículo endoplasmático liso à síntese de lipídios e a desintoxicação celular.
6. ENDOCITOSE, DIGESTÃO CELULAR E EXOCITOSE
(O e G) - Caracterizar funcionalmente os lisossomos.
(O e G) - Compreender os processos da endocitose, da fagocitose, da pinocitose e da clasmocitose.
7. OBTENÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA
(B e O) - Diferenciar autotrofismo de heterotrofismo.
(G) - Associar as características morfofuncionais das mitocôndrias e cloroplastos ao processo de transformação e armazenamento de
energia.
(O e G) - Compreender os processos básicos da Respiração (aeróbica, anaeróbica e fermentação), da fotossíntese e do armazenamento de
energia.
8. CICLO CELULAR
NÚCLEO INTERFÁSICO
(B e O) - Reconhecer e caracterizar o envoltório nuclear, a cromatina e o nucléolo.
DIVISÃO CELULAR
(B e G) - Compreender as etapas da mitose e da meiose.
(B) - Identificar os tipos celulares onde ocorrem a mitose a meiose.
(O e G) - Comparar mitose e meiose, relacionando o processo mitótico como formador de células de mesma composição genética e a
meiose como um processo de variabilidade das espécies e como um processo de manutenção do número de cromossomos da espécie.
(O e G) - Reconhecer a meiose como um processo que ocorre em indivíduos de reprodução sexuada e a mitose como um processo de
reprodução dos seres unicelulares e crescimento e regeneração de tecidos dos seres multicelulares.
9. ORGANIZAÇÃO CELULAR
(B e O) - Reconhecer as diferenças morfofuncionais e aspectos evolutivos das células procariontes e eucariontes.
(O) - Compreender a origem evolutiva de mitocondrias e plastídeos.
(O) - Diferenciar célula vegetal de célula animal quanto a presença de parede celular, vacúolo, plastídeos e divisão celular.
10. HISTOLOGIA VEGETAL
(B e O) - Identificar meristemas apicais e laterais quanto aos tecidos permanentes po eles formados e compreender o conseqüente
crescimento por eles originado.
(B e O) - Caracterizar morfofuncionalmente epiderme, periderme, parênquima, colênquima, esclerênquima, xilema e floema.
11. HISTOLOGIA ANIMAL
(B e O) - Caracterizar morfofuncionalmente tecido epitelial, conjuntivo, muscular e nervoso.
(B e O) - Associar os componentes do sangue aos principais mecanismos de defesa do organismo, por exemplo, sua relação com a AIDS.
(O e G) - Compreender a atuação dos neuro-transmissores e sua relação com as drogas sociais e não-sociais (tabaco, álcool, cocaína,
maconha, analgésicos, antidepressivos).
TEMA GERAL:
DIVERSIDADE E INTERAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS, articulando conhecimentos no enfoque evolutivo-ecológico
– abordagem das diferentes formas de vida: vírus, bactérias, algas, protozoários, fungos, animais e plantas.
1. NOÇÕES DE ECOLOGIA
COMPONENTES DO AMBIENTE (BIÓTICOS E ABIÓTICOS)
(B) - reconhecer que os ecossistemas são formados pela interação entre componentes bióticos (populações e comunidades biológicas) e
componentes abióticos (solo, água e clima).
RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS
(G) - Analisar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que tratem das relações ecológicas
intraespecíficas (competição e cooperação) e interespecíficas entre os seres vivos (relações nas cadeias e redes alimentares –
produtor/consumidor/decompositor, carnivorismo/herbivorismo; predação e competição interespecífica; parasitismo; inquilinismo e
comensalismo; protocooperação e mutualismo).
2. DIVERSIDADE DOS SERES VIVOS
(O) - Compreender a diversidade dos seres vivos como reflexo da evolução.
3. OS VÍRUS
(B) - Reconhecer os vírus, através de representações gráficas e/ou descrições, e caracterizá-los quanto a constituição.
13
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre a importância ecológica dos vírus e sobre a transmissão, prevenção e controle de algumas viroses
(rubéola, sarampo, catapora, gripe, AIDS, caxumba, herpes, hepatite, poliomielite e hidrofobia).
4. AS BACTÉRIAS
(B) - Reconhecer bactérias, através de representações gráficas e/ou descrições, e caracterizá-las quanto a estrutura e reprodução.
(G) - Avaliar e analisar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica das bactérias e sobre a transmissão, prevenção e controle de
algumas bacterioses (botulismo, cólera, coqueluche, difteria, disenteria bacilar, febre maculosa, febre tifóide, gastroenterites, hanseníase,
leptospirose, meningite, peste bubônica, pneumonia, sífilis, gonorréia, tétano e tuberculose).
AS CIANOBACTÉRIAS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, os padrões morfológicos de cianobactérias.
(G) - Avaliar e analisar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica das
cianobactérias.
5. OS FUNGOS
(B) - Reconhecer os padrões morfológicos básicos dos fungos, através de representações gráficas e/ou descrições.
(G) - Avaliar e analisar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
dos fungos.
6. AS ALGAS
(B) - Reconhecer as algas (dinoflagelados, diatomáceas, feófitas, rodófitas e clorófitas) através de representações gráficas e/ou
descrições, e caracterizá-las quanto a estrutura básica e reprodução.
(Gl) - Avaliar e analisar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
das algas protistas.
7. OS PROTOZOÁRIOS
(B) - Reconhecer os protozoários, através de representações gráficas e/ou descrições, e caracterizá-los quanto a estrutura básica e
reprodução.
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica dos protozoários e sobre a transmissão, prevenção e controle de
algumas protozoozes (amebíase, giardíase, leishmaniose, tricomoníase, toxoplasmose, doença de Chagas e malária).
8. OS ANIMAIS
(B) - Reconhecer e caracterizar as etapas de desenvolvimento embrionário (mórula, blástula e gástrula).
(O) - Compreender e explicar as aquisições evolutivas dos animais (multicelularidade, gastrulação, cavidade corporal, protostomia e
deuterostomia, simetria e metameria).
(O) - Compreender e explicar a organização dos animais em um cladograma.
OS PORÍFEROS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, espécimes representantes dos poríferos.
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos, tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção e reprodução dos poríferos,
relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica
dos poríferos.
OS CNIDÁRIOS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, os principais representantes dos cnidários (hidrozoário, cifozoário e
antozoário).
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos cnidários, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica dos
cnidários.
OS PLATELMINTOS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, os principais representantes dos platelmintos (turbelarios,
trematódeos e cestóides).
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos platelmintos, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre a importância ecológica dos platelmintos e sobre a transmissão, prevenção e controle de algumas
parasitoses (teníase, cisticercose e esquistossomose).
14
OS NEMATÓIDES
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, espécimes representantes dos nematóides.
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos nematóides, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre a importância ecológica dos nematóides e sobre a transmissão, prevenção e controle de algumas
parasitoses (ascaridíase, ancilostomose, enterobiose, tricocefalose, filariose, larva migrans).
OS MOLUSCOS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, os principais representantes dos moluscos (gastrópodos,
cefalópodos e bivalvos).
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos moluscos, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
dos moluscos.
OS ANELÍDEOS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, os principais representantes dos anelídeos (oligoquetas, poliquetas e
hirudíneos)
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos anelídeos, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
dos anelídeos.
OS ARTRÓPODOS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, os principais representantes dos artrópodos (insetos, crustáceos e
aracnídeos).
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos artrópodos, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
dos artrópodos.
OS EQUINODERMOS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, espécimes representantes dos equinodermos.
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos equinodermos, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
dos equinodermos.
OS CORDADOS
(O) - Compreender e explicar a organização dos cordados (peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos) em um cladograma.
(O) - Compreender e explicar as aquisições evolutivas e adaptações ao ambiente dos peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos
• OS PEIXES
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, espécimes representantes dos peixes cartilaginosos e ósseos.
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos peixes cartilaginosos e ósseos, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
dos peixes.
• OS ANFÍBIOS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, os principais representantes dos anfíbios (anuros, urodelos e
gimnofionas).
(Gl) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos anfíbios, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(Gl) - Analisar e avaliar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
dos anfíbios.
• OS RÉPTEIS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, os principais representantes dos répteis (quelôneos, crocodilianos,
lacertíleos e ofídeos).
15
(Gl) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos repteis, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(Gl) - Analisar e avaliar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
dos répteis.
• AS AVES
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, espécimes representantes das aves.
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção das aves, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
das aves.
• OS MAMÍFEROS
(B) - Reconhecer, através de representações gráficas e/ou descrições, os principais representantes dos mamíferos (monotrematas ou
prototérios, marsupiais ou metatérios e eutérios).
(G) - Analisar e avaliar situações e simulações, interpretar experimentos, esquemas, gráficos e tabelas que envolvam a aplicação e a
associação de conhecimentos sobre os processos gerais de alimentação, respiração, circulação, excreção, reprodução, de percepção do
ambiente e de locomoção dos mamíferos, relacionando-os ao ambiente onde vivem.
(G) - Analisar e avaliar situações que envolvam a aplicação e a associação de conhecimentos sobre a importância ecológica e econômica
dos mamíferos.
9. OS VEGETAIS
PLANTAS AVASCULARES E VASCULARES
(B) - Caracterizar e reconhecer os grupos vegetais (briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas) e, em esquemas e figuras, os
seus ciclos. (Observação: quando for o caso, o ciclo básico deverá vir na prova, para consulta.).
(O) - Compreender e explicar o processo evolutivo das plantas quanto a reprodução, presença ou não de tecidos condutores, órgãos
vegetativos e reprodutivos.
(O) - Compreender e explicar a organização dos vegetais em um cladograma.
PLANTAS SEM SEMENTES (CRIPTÓGAMAS)
(B e O) - Reconhecer e explicar a importância biológica e evolutiva dos processos de reprodução assexuada e sexuada de briófitas e
pteridófitas.
PLANTAS COM SEMENTES (ESPERMATÓFITAS)
(B e O) - Caracterizar e diferenciar morfológica e funcionalmente as estruturas do estróbilo (gimnospermas) e da flor (angiospermas).
(B e O) - Reconhecer e explicar a importância biológica e evolutiva das sementes e das suas estruturas (tegumento, tecido de reserva e
embrião).
PLANTAS COM FLORES (ANGIOSPERMAS)
(O e G) - Compreender, explicar e associar a importância biológica e evolutiva da flor e do fruto.
(O) - Compreender e explicar a importância da proteção do óvulo (ovário) para o sucesso reprodutivo deste grupo vegetal.
(O) - Compreender e explicar a importância biológica e evolutiva da polinização e dispersão.
(G) - Analisar situações e relações que envolvam conhecimentos sobre as síndromes de polinização (anemofilia, entomofilia, ornitofilia e
quiropterofilia) e dispersão (anemocoria, zoocoria).
(B) - Reconhecer as variações morfológicas de frutos carnosos e secos (deiscentes e indeiscentes).
(B e G) - Caracterizar e analisar as diferentes síndromes de polinização e dispersão de angiospermas.
MORFO-ANATOMIA DE ANGIOSPERMAS
(B e O) - Reconhecer as funções de raiz, caule e folha, relacionando suas adaptações morfológicas básicas ao ambiente (xérico e
aquático) e com as condições de reserva.
(O) - Relacionar as variações anatômicas foliares básicas em ambiente xérico e aquático.
(B e O) - Reconhecer e diferenciar as estruturas primária e secundária de caule e raiz.
FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS
(O) - Compreender e explicar os processos de absorção de água e condução de seiva (floemática e xilemática) e transpiração.
(O) - Diferenciar tropismo (fototropismo /geotropismo) de nastismo.
(O e G) - Compreender e explicar a ação dos cinco hormônios vegetais (auxina, giberelina, citocinina, etileno e ácido abscísico);
aplicando esses conhecimentos a seus usos econômicos e as estratégias de sobrevivência vegetal (amadurecimento de frutos,
estiolamento, abscisão foliar, dominância apical e cultura de tecidos).
(O) - Compreender e explicar a floração quanto ao fotoperiodismo, fotoperíodo crítico, papel do fitocromo e florígeno.
(O) - Compreender e explicar propagação vegetativa, destacando vantagens e desvantagens em relação à reprodução sexuada, totipotêntia
celular e clonagem vegetal.
16
1. REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO
A REPRODUÇÃO E SEUS TIPOS BÁSICOS
(B) – Diferenciar a reprodução sexuada e assexuada.
REPRODUÇÃO HUMANA E CONTRACEPÇÃO
(O) – Compreender as diferenças fisiológicas do aparelho reprodutor masculino e feminino, com ênfase no ciclo menstrual.
(O) – Compreender a formação do espermatozóide e do ovócito.
(B) – Reconhecer a influência do sistema endócrino nos sistemas reprodutivos masculinos e femininos.
(B, G) – Reconhecer os métodos de contracepção, avaliando a eficiência e adequação da utilização desses métodos.
EMBRIOLOGIA
(B) – Definir fecundação e identificar os locais de ocorrência.
(O) - Compreender as etapas do desenvolvimento animal, com ênfase na formação, implantação do embrião, gástrula e
organogênese.
(O) – Correlacionar o desenvolvimento do embrião com os fatores que interferem no desenvolvimento normal.
2. EVOLUÇÃO
TEORIAS EVOLUCIONISTA
(O) - Compreender a origem das teorias evolutivas: Lamarckismo, Darwinismo, Neodarwinismo e Teoria Sintética.
TEORIA SINTÉTICA
(B,G) – Identificar os processos evolutivos (seleção, migração, deriva genética e mutação) e analisar suas conseqüências na alteração das
freqüências gênicas.
ESPECIAÇÃO
(B) - Descrever o processo pelo qual uma espécie origina a novas espécies, tomando como base os mecanismos de isolamento
reprodutivo e a migração.
GENÉTICA DE POPULAÇÕES
(O, G) - Compreender o Teorema de Hardy-Weinberg e a sua aplicação nas alterações que ocorrem nas freqüências dos genes nas
populações.
(O) - Estimar as freqüências, através da aplicação do binômio de Newton, de alguns genes e genótipos de uma determinada população,
relacionando-as ao processo evolutivo.
(B) - Interpretar gráficos e tabelas de uma determinada distribuição de freqüência a partir de dados de uma população.
3. GENÉTICA
HEREDITARIEDADE
(B) - Identificar a primeira Lei de Mendel e a sua relação com a meiose, entendendo o mecanismo de transmissão das características
hereditárias.
(B) - Identificar a relação entre os alelos quanto à dominância completa, ausência de dominância, genes letais, codominância e alelos
múltiplos e relacioná-los à transmissão e manifestação de características dos seres vivos.
(B) - Diferenciar os grupos sangüíneos do sistema ABO e do Rh, o comportamento de cada tipo nas transfusões de sangue e as reações
de aglutinação das incompatibilidades sangüíneas.
(B) - Identificar a segunda Lei de Mendel e a sua relação com a meiose.
(O, G) - Associar o dihibridismo com a segunda Lei de Mendel, compreendendo a interação entre genes diferentes.
(B) – Relacionar as leis de Mendel e o comportamento dos cromossosmos durante a meiose.
(G) - Explicar a transmissão e prever a manifestação de determinadas características ligadas ou relacionadas ao sexo (herança holândrica,
limitada ao sexo e influenciada pelo sexo).
(B) - Reconhecer a influência cromossômica na determinação do sexo do ser humano.
(G) - Aplicar os conceitos relativos à probabilidade de ocorrência de um ou mais eventos para explicar a transmissão e prever a
manifestação de características dos seres vivos.
(G) - Interpretar e analisar heredogramas.
(G) - Resolver problemas ligados à hereditariedade.
ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS
(B) - Caracterizar as alterações cromossômicas numéricas e estruturais.
INTERAÇÃO GÊNICA
(G) - Explicar a transmissão e prever a manifestação de determinadas características dos seres vivos condicionadas pela interação entre
alelos de um mesmo gene e entre genes diferentes: epistasia, pleiotropia e herança poligênica.
BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA
(B) - Apontar as características básicas da clonagem de mamíferos.
(B) – Identificar as características básicas de um organismo geneticamente modificado (OGM).
17
4. ECOLOGIA
UNIDADE ECOLÓGICA
(O) - Compreender os processos de fluxo de energia e o ciclo da matéria nos ecossistemas.
(G) - Analisar as pirâmides ecológicas quanto a transferência de matéria e energia nos ecossistemas.
(O) - Analisar as inter-relações de interdependência entre os ciclos da matéria, da água, do carbono e do nitrogênio com o ambiente.
ECOLOGIA E DINÂMICA DAS POPULAÇÕES
(G) - Analisar associar os fatores bióticos reguladores do tamanho das populações, que interferem no equilíbrio do ecossistema.
CICLOS BIOGEOQUÍMICOS
(G) - Analisar as relações de interdependência entre os ciclos da matéria, da água, do carbono e do nitrogênio com o ambiente.
(G) – Analisar, interpretar experimentos, esquemas, gráficos, tabelas, situações e simulações que tratem do crescimento e densidade
populacional.
SUCESSÃO ECOLÓGICA
(B,O) - Reconhecer e explicar as etapas de ocupação dos diversos tipos de ambiente: espécies pioneiras, sucessão primária, sucessão
secundária e aumento da diversidade biológica.
(O) - Compreender que as mudanças ocorridas nas comunidades ao longo do tempo resultam no estabelecimento comunidades estáveis.
DESEQUILÍBRIO AMBIENTAL
(G) - Associar as intervenções humanas e os modelos econômicos como causa das alterações nos ecossistemas.
(G) – Associar e avaliar os desequilíbrios ambientais do ar, da água e da terra, nas perspectivas global e nacional, considerando a
poluição biológica, geológica, física e química.
(G) – Analisar e interpretar experimentos, esquemas, gráficos, tabelas, situações e simulações que tratem de problemas ambientais
decorrentes do desaparecimento de espécies animais e vegetais.
(G) - Avaliar e formar julgamento sobre os problemas ambientais brasileiros, a partir da análise crítica de jornais, informativos dentre
outras fontes.
(O) – Compreender e explicar as principais causas da extinção de plantas e animais nos ecossistemas brasileiros.
(G) – Avaliar e formar julgamento sobre os impactos do desequilíbrio ambiental na qualidade de vida dos organismos.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
LINHARES, Sérgio & GEWANDSZNAJDER, Fernando. Biologia Hoje. 4ª ed. São Paulo: Ática, v. 1, 2 e 3.
LOPES, Sônia G. B. Carvalho. Biologia. São Paulo: Saraiva, v. 1, 2 e 3.
MARTHO, Amabis. Fundamentos da Biologia Moderna. São Paulo: Moderna.
PAULINO, W. R. Biologia atual. São Paulo: Ática, v. 1, 2 e 3.
SILVA JR., César da & SASSON, Sezar. Biologia. São Paulo: Atual, v.1, 2 e 3.
18
FÍSICA
I. INTRODUÇÃO
As Ciências Naturais como a Física são corpos de conhecimentos que permitem construir uma compreensão racional da natureza e dos
fenômenos naturais, expressa especialmente por meio de relações de causa e efeito entre grandezas.
Do ponto de vista instrumental, a educação científica no nível do Ensino Médio deve desenvolver a capacidade de aplicar conhecimentos
e ferramentas de análise para a interpretação de fenômenos simples e a solução de problemas práticos no cotidiano, bem como de
correlacionar conhecimentos e métodos próprios da Física e/ou de outros campos do conhecimento para analisar e interpretar fenômenos
mais complexos. Na interpretação de fenômenos reais, devem ser enfatizadas a capacidade para formular modelos e para identificar os
agentes físicos intervenientes e as escalas de tamanho apropriadas para descrevê-los.
Outros objetivos do ensino de Física comuns ao ensino das demais Ciências Naturais são os de (i) utilizar os recursos da lógica, da
matemática e da estatística para a organização e a interpretação de informações, (ii) constituir uma cultura científico-tecnológica ao
menos suficiente para acompanhar as rápidas transformações que se processam na vida prática, na vida profissional e na vida da
sociedade e (iii) adquirir conhecimentos fundamentais para a participação do cidadão como sujeito das reivindicações, mobilizações e
decisões coletivas na sociedade.
Nesse sentido, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (no 9394/1996) determina as diretrizes a serem seguidas pelos currículos
do Ensino Médio e a Resolução no 03/98 da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação estabelece as áreas em que
devem se agrupar os conteúdos curriculares desse nível de ensino, bem como as competências e habilidades gerais a serem desenvolvidas
em cada área.
Os PCN-EM, editados em anexo à Resolução mencionada, explicitam os conhecimentos, as competências e habilidades a serem
desenvolvidos no ensino de Física. As provas de Física devem avaliar fundamentalmente esses aspectos, respeitando cuidadosamente a
maturidade cognitiva do estudante em cada série do Ensino Médio.
II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A SEREM AVALIADAS
As provas terão o objetivo de avaliar as habilidades e competências conforme definidas no texto dos PCN-EM, a saber:
Representação e comunicação
• Compreender enunciados que envolvam códigos e símbolos físicos. Compreender manuais de instalação e utilização de aparelhos.
• Utilizar e compreender tabelas, gráficos e relações matemáticas gráficas para a expressão do saber físico. Ser capaz de discriminar
e traduzir as linguagens matemática e discursiva entre si.
• Expressar-se corretamente, utilizando a linguagem física adequada e elementos de sua representação simbólica. Apresentar de
forma clara e objetiva o conhecimento apreendido, através de tal linguagem.
• Conhecer fontes de informações e formas de obter informações relevantes, sabendo interpretar notícias científicas.
• Elaborar sínteses ou esquemas estruturados dos temas físicos trabalhados.
Investigação e compreensão
• Desenvolver a capacidade de investigação física. Classificar, organizar sistematizar. Identificar regularidades. Observar, estimar
ordens de grandeza, compreender o conceito de medir, fazer hipóteses, testar.
• Conhecer e utilizar conceitos físicos. Relacionar grandezas, quantificar, identificar parâmetros relevantes. Compreender e utilizar
leis e teorias físicas.
• Compreender a Física presente no mundo vivencial e nos equipamentos e procedimentos tecnológicos. Descobrir o "como
funciona" de aparelhos.
• Construir e investigar situações-problema, identificar a situação física, utilizar modelos físicos, generalizar de uma a outra
situação, prever, avaliar, analisar previsões.
• Articular o conhecimento físico com conhecimentos de outras áreas do saber científico.
Contextualização sócio-cultural
• Reconhecer a Física enquanto construção humana, aspectos de sua história e relações com o contexto cultural, social, político e
econômico.
• Reconhecer o papel da Física no sistema produtivo, compreendendo a evolução dos meios tecnológicos e sua relação dinâmica
com a evolução do conhecimento científico.
• Dimensionar a capacidade crescente do homem propiciada pela tecnologia.
• Estabelecer relações entre o conhecimento físico e outras formas de expressão da cultura humana.
• Ser capaz de emitir juízos de valor em relação a situações sociais que envolvam aspectos físicos e/ou tecnológicos relevantes.
Dentro da linha exposta acima, devem ser valorizados os conhecimentos matemáticos necessários à expressão das leis físicas e da medida
das grandezas físicas, assim como a sua representação algébrica ou gráfica.
19
III. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E DESCRITORES DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS E
HABILIDADES
1. MOVIMENTO E EQUILÍBRIO
- Vetores velocidade e aceleração. Movimentos retilíneos, uniforme e uniformemente variado. Movimento Circular uniforme.
Cinemática vetorial. Movimentos sob a ação da gravidade. Movimento relativo.
- Leis de Newton e aplicações: forças de atrito, lei de Hooke, resultante centrípeta.
- Lei da Gravitação Universal, leis de Kepler.
- Momento de uma força (torque). Equilíbrio do corpo rígido.
Descritores
(1) Definir e utilizar as velocidades e acelerações médias e instantâneas .
(2) Descrever os movimentos retilíneos, uniforme e uniformemente variado.
(3) Utilizar a cinemática vetorial para descrever os movimentos retilíneos e curvilíneos.
(4) Descrever o movimento circular uniforme.
(5) Compor movimentos e determinar o vetor velocidade de uma partícula em dois referenciais inerciais.
(6) Aplicar as leis de Newton para interpretar fenômenos envolvendo equilíbrio e movimento de partículas.
(7) Diferenciar referenciais inerciais e não inerciais.
(8) Compor e decompor forças coplanares.
(9) Definir o peso de uma partícula e a aceleração da gravidade, g, e descrever qualitativamente as variações de g com a altitude e com a
latitude.
(10) Utilizar as Leis de Kepler para descrever qualitativamente os movimentos de planetas e satélites.
(11) Definir torque e utilizá-lo na interpretação de fenômenos mecânicos simples.
(12) Descrever o equilíbrio do corpo rígido.
(13) Analisar qualitativamente a lei da gravitação universal
2. LEIS DE CONSERVAÇÃO DA ENERGIA E DO MOMENTO LINEAR
- Trabalho de uma força, potência. Energia cinética. Teorema da energia cinética.
- Forças conservativas e dissipativas. Trabalho de forças conservativas e energia potencial. Conservação da energia mecânica.
- Momento linear (quantidade de movimento). Forças internas e externas. Teorema do impulso. Conservação do momento linear.
Colisões unidimensionais.
Descritores:
(14) Definir analiticamente o trabalho de uma força constante e graficamente o trabalho de uma força variável.
(15) Utilizar trabalho e potência na interpretação de fenômenos mecânicos.
(16) Definir a energia cinética e relacioná-la com o trabalho da força resultante.
(17) Caracterizar forças conservativas e dissipativas e definir energia potencial em termos do trabalho das forças conservativas.
(18) Definir energia potencial, gravitacional e elástica.
(19) Utilizar a Lei da conservação da energia para descrever fenômenos mecânicos.
(20) Definir momento linear e impulso e relacioná-los.
(21) Distinguir forças internas e forças externas atuantes sobre um sistema.
(22) Utilizar a lei da conservação do momento linear para descrever fenômenos mecânicos unidimensionais.
(23) Descrever colisões em uma dimensão.
1. MECÂNICA: ROTAÇÕES E FLUIDOS
- Dinâmica das rotações. Momento angular. Conservação do momento angular.
- Densidade. Pressão. Variação da pressão num líquido em equilíbrio. Princípio de Pascal. Empuxo e Princípio de Arquimedes.
- Vazão. Equação da continuidade.
Descritores:
(24) Definir o momento angular e o momento de inércia de uma partícula e de um corpo rígido e descrever qualitativamente os seus
efeitos na dinâmica das rotações em torno de um eixo fixo.
(25) Aplicar a lei de conservação do momento angular para interpretar fenômenos relacionados às rotações em torno de um eixo fixo.
(26) Definir e utilizar a densidade e a pressão, definir e utilizar a pressão atmosférica, sua medida e suas unidades e descrever a variação
da pressão num líquido em equilíbrio.
(27) Aplicar o Princípio de Pascal para interpretar fenômenos em hidrostática.
(28) Definir empuxo e aplicar o Princípio de Arquimedes para determiná-lo e interpretar fenômenos em hidrostática.
(29) Definir a vazão de um fluido e aplicar a equação da continuidade para descrever o movimento de um fluido incompressível.
2. TERMOLOGIA
- Temperatura e lei zero da termodinâmica. Medida da temperatura. Dilatação. Gases ideais. Equação de estado e transformações
gasosas.
20
- Calor. Transmissão do calor. Calorimetria. Trabalho numa transformação gasosa e primeira lei da termodinâmica. Noções sobre a
segunda lei da termodinâmica.
- As fases da matéria. Mudanças de fase.
Descritores:
(30) Definir a temperatura de um corpo e sua medida, utilizando diferentes escalas termométricas.
(31) Descrever a dilatação de sólidos e líquidos.
(32) Definir gases ideais e utilizar a equação de estado de um gás ideal para descrever as variações da pressão, do volume e da
temperatura em processos isotérmicos, isobáricos, isocóricos e adiabáticos.
(33) Descrever qualitativamente a propagação do calor.
(34) Descrever as trocas de calor entre corpos, definir capacidade térmica, calor específico, calor sensível e calor latente e aplicá-los para
resolver problemas e interpretar fenômenos relacionados com as trocas de calor.
(35) Definir trabalho numa transformação gasosa e determiná-lo analiticamente em transformações isobáricas e graficamente em outras
transformações.
(36) Utilizar a primeira lei da termodinâmica para interpretar fenômenos termodinâmicos.
(37) Descrever qualitativamente a segunda lei da termodinâmica e suas aplicações simples.
(38) Caracterizar as fases da matéria, descrever as mudanças de fase e as variações das temperaturas de mudança de fase e interpretar
diagramas de fase.
3. ÓTICA GEOMÉTRICA
- Ótica geométrica.
Descritores:
(39) Aplicar as leis da reflexão e da refração ao estudo de interfaces planas e esféricas entre dois meios e à interpretação de fenômenos
óticos.
(40) Descrever a formação de imagens em espelhos e lentes delgadas.
(41) Aplicar a ótica geométrica para descrever o funcionamento do olho humano e de instrumentos óticos como microscópios, câmeras
fotográficas, projetores e telescópios.
1. ELETRICIDADE E MAGNETISMO
- Cargas elétricas. Lei de Coulomb.
- Campo elétrico. Potencial elétrico. Energia potencial eletrostática.
- Capacitores. Descrição qualitativa dos dielétricos.
- Corrente elétrica. Resistência elétrica e lei de Ohm. Circuitos elétricos. Noções de corrente alternada.
- Indução magnética. Lei de Biot-Savart. Lei circuital de Ampère.
- Força de Lorentz.
- Fluxo magnético. Leis de Faraday e de Lenz.
Descritores:
(42) Descrever cargas elétricas, eletrização, conservação e quantização da carga elétrica.
(43) Definir isolantes e condutores elétricos.
(44) Utilizar a lei de Coulomb para interpretar fenômenos elétricos.
(45) Definir campo elétrico e utilizá-lo para interpretar fenômenos elétricos simples.
(46) Definir potencial elétrico, diferença de potencial e energia potencial eletrostática e utilizá-los para interpretar fenômenos elétricos.
(47) Definir capacitância, descrever o comportamento de capacitores. Descrever associações simples de capacitores e, qualitativamente,
o efeito de um dielétrico sobre a capacitância de um capacitor.
(48) Definir corrente elétrica, potência elétrica, resistência elétrica e resistividade e utilizá-las para interpretar fenômenos elétricos.
(49) Descrever resistores e associações simples de resistores e aplicar a lei de Ohm para interpretar fenômenos.
(50) Descrever circuitos elétricos de corrente contínua.
(51) Descrever qualitativamente a corrente alternada.
(52) Descrever qualitativamente os campos magnéticos produzidos por ímãs, por cargas em movimento, e o campo magnético terrestre.
(53) Utilizar as leis de Biot-Savart e de Ampère para descrever qualitativamente o campo magnético produzido por condutores retilíneos
e circulares percorridos por correntes elétricas contínuas.
(54) Descrever a interação entre cargas e campos magnéticos uniformes e utilizá-la para interpretar fenômenos e aplicar a força de
Lorentz para interpretar fenômenos.
(55) Descrever qualitativamente a força entre condutores retilíneos e paralelos percorridos por correntes contínuas.
(56) Definir fluxo magnético, força eletromotriz e corrente induzida e aplicar as leis de Faraday e de Lenz para resolver problemas e
interpretar fenômenos.
(57) Descrever qualitativamente transformadores e motores elétricos.
2. OSCILAÇÕES E ONDAS
- Movimento harmônico simples. Pêndulo simples.
- Movimento ondulatório.
- Ondas mecânicas. Som.
- Ondas eletromagnéticas.
21
Descritores:
(58) Descrever o movimento harmônico simples e o pêndulo simples.
(59) Descrever a propagação de ondas e de pulsos e determinar a velocidade de propagação, a amplitude, a freqüência e o comprimento
de onda.
(60) Descrever a reflexão e a refração de ondas e aplicar as suas leis para interpretar fenômenos.
(61) Descrever qualitativamente a interferência, a difração e a ressonância.
(62) Definir ondas longitudinais e transversais e a polarização de ondas transversais.
(63) Descrever qualitativamente o efeito Doppler e aplicá-lo para interpretar fenômenos.
(64) Descrever a produção e a propagação de ondas mecânicas e descrever ondas numa corda.
(65) Descrever o som e sua natureza ondulatória. Descrever ondas sonoras num tubo. Descrever qualitativamente o fenômeno de
batimentos.
(66) Definir nível sonoro e as qualidades fisiológicas do som e utilizá-los para interpretar fenômenos.
(67) Descrever ondas eletromagnéticas e sua propagação, o espectro eletromagnético, a dispersão de ondas e a polarização de uma onda
eletromagnética.
(68) Descrever a natureza ondulatória da luz, e, qualitativamente, os fenômenos de interferência e difração.
(69) Descrever a propagação da luz através de prismas, a dispersão da luz e o espectro eletromagnético.
3. NOÇÕES DE FÍSICA MODERNA
- Comportamento corpuscular da luz. Efeito fotoelétrico. Dualidade partícula-onda.
- Modelo atômico de Bohr. Espectros atômicos.
- Núcleo atômico. Radiações nucleares.
- Relatividade restrita.
Descritores:
(70) Descrever a radiação eletromagnética, descrever e interpretar qualitativamente o efeito fotoelétrico.
(71) Descrever a dualidade partícula-onda e utilizá-la para interpretar fenômenos simples.
(72) Descrever os níveis de energia dos elétrons e as transições entre níveis no modelo atômico de Bohr.
(73) Descrever qualitativamente a composição do núcleo atômico e a instabilidade nuclear. Descrever as partículas alfa e beta e os raios
gama, sua emissão e seus efeitos.
(74) Discutir a simultaneidade de eventos para interpretar a dilatação do tempo e a contração do comprimento.
(75) Descrever a massa e a energia relativísticas e aplicá-las à interpretação de fenômenos simples.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ÁLVARES, Beatriz Alvarenga, LUZ, Antônio Máximo Ribeiro da, Curso de Física. São Paulo: Ed. Scipione, 1997, vols. 1-3.
GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA (GREF), Física. São Paulo: EDUSP, 1991-93, vols. 1-3.
PAULI, Ronald Ulisses et al. Física, São Paulo: EPU, 1979-1981, vols. 1-4.
Obs.: As referências bibliográficas indicadas não são exclusivas, mas apenas sugestões representativas das abordagens e dos níveis de
profundidade dos assuntos a serem avaliados.
22
GEOGRAFIA
I. INTRODUÇÃO
A ciência geográfica tem sua forma particular de pensar o mundo. O ensino de Geografia pode levar o aluno a compreender de forma
mais ampla a realidade, possibilitando que nela interfira de maneira mais consciente e propositiva. Nesse sentido, é necessário adquirir
conhecimentos, dominar categorias como espaço, território, lugar, região, paisagem, natureza, sociedade, conceitos e procedimentos
básicos de estudo com os quais esse campo do conhecimento opera.
Ao estudar Geografia no Ensino Médio, espera-se que o aluno esteja habilitado a articular e aprofundar conceitos, construindo assim
condições para compreender a diversidade do todo, ou seja, do universo sociocultural no qual se insere. Assim sendo, optou-se por um
programa estruturado em grandes temas, que possibilitem a compreensão do mundo atual, produto do desenvolvimento da sociedade
como processo de ocupação de espaços físicos, culturais, políticos, humanos e econômicos, diferentes escalas geográficas e cartográficas.
Se toda análise geográfica se inscreve num contexto temporal muito preciso, o raciocínio geográfico deve ser dinâmico, isto é,
retrospectivo e prospectivo, procurando encontrar, nas evoluções do passado, as explicações das estruturas espaciais do presente e, a
partir das tendências atuais, de separar elementos de concepção de cenários do futuro. A Geografia restitui, assim, ao espaço sua Quarta
dimensão: o tempo. Nesse momento, o aluno deve estabelecer relações entre fatos e eventos espaciais em diferentes escalas, norteado
pelo conhecimento do lugar, da paisagem, da região, do mundo, quer através da leitura e compreensão de textos e mapas, quer através da
leitura e compreensão de textos e mapas, quer através do uso de diferentes documentos e imagens, operando um vocabulário específico e
inerente ao conhecimento geográfico.
II. Competências globais
• Ler e interpretar de forma adequada textos informativos e científicos.
• Exprimir-se com correção e clareza nas linguagens oral, escrita e visual.
• Interpretar e utilizar diferentes tipos de documentos cartográficos.
• Compreender o desenvolvimento da sociedade como processo de ocupação de espaços físicos e as relações da vida humana com a
paisagem, em seus desdobramentos políticos, culturais, econômicos e humanos (PCN, 1999).
• Traduzir os conhecimentos sobre a pessoa, a sociedade, a economia, as práticas sociais e culturais em condutas de indagação, análise,
problematização e protagonismo diante de situações novas, problemas ou questões da vida pessoal, social, política, econômica e
cultural (PCN, 1999).
• Reconhecer e aplicar o uso das escalas cartográfica e geográfica, como formas de organizar e conhecer a localização, distribuição e
freqüência dos fenômenos naturais e humanos (PCN, 1999).
1. REPRESENTAÇÕES DO ESPAÇO GEOGRÁFICO
- Representações gráficas e cartográficas: confecção e utilização. Tabelas, gráficos, cartas, mapas, perfis, blocos-diagramas e maquetes:
possibilidades de leituras, correlações e interpretações.
- Sistemas referenciais para localização espacial. O sistema de coordenadas terrestres.
- Cartografia
Hemisférios, fusos e zonas terrestres.
Representação da superfície terrestre: projeções cartográficas, distorções e escalas. Tipos de mapeamentos temáticos.
Cartografia como linguagem e sistematização de conhecimento estratégico.
Cartografia e o uso de novas tecnologias: GPS, Produtos de sensoriamento remoto e SIGs.
2. O PLANETA TERRA: OS ECOSSISTEMAS TERRESTRES
- O planeta Terra.
- Movimentos principais da Terra e suas conseqüências.
- Estrutura interna da Terra.
Os sismos e o conhecimento das camadas internas. A crosta terrestre e sua composição. Origem e evolução dos continentes e a
deriva continental.
A tectônica de placas: distribuição das placas na superfície terrestre e seus movimentos. Bordas de placas, atividade vulcânica e
formação de montanhas.
- Recursos minerais e sua distribuição.
Origem e evolução dos depósitos de combustíveis fósseis. Recursos minerais no Brasil.
- Os climas e os ecossistemas terrestres.
O clima.
A atmosfera: composição química.
Temperaturas e circulação atmosférica. As mudanças de temperatura e os fatores geográficos. As precipitações. Tempo e clima.
Zonalidade climática.
O efeito estufa natural. As mudanças climáticas.
- A biosfera. Conservação, uso, manejo e estado atual dos ecossistemas.
Distribuição geográfica dos climas e a distribuição da vegetação. Ecossistemas e sua diversidade.
- O relevo terrestre.
Fatores endógenos. Fatores exógenos.
O modelado antrópico. O modelado do relevo brasileiro.
- A água na superfície terrestre.
Oceanos e mares.
23
A água em movimento: correntes marinhas, ondas e marés. A plataforma e as bacias oceânicas brasileiras: biodiversidade, recursos
minerais e impactos ambientais. O litoral brasileiro: os tipos de costa e sua evolução. Os ecossistemas costeiros: conservação, uso,
manejo e estado atual.
Os ambientes de água doce.
A bacia hidrográfica como unidade de análise. A rede hidrográfica. As bacias fluviais brasileiras: conservação, uso, manejo e estado
atual.
3. A QUESTÃO AMBIENTAL: OS CICLOS GLOBAIS E AS POLÍTICAS AMBIENTAIS NO BRASIL.
- Os ciclos globais e o ambiente terrestre nas questões internacionais.
Escala temporal das flutuações climáticas. O sistema climático tropical e o fenômeno El Niño.
Episódios El Niño e o clima global: secas na África, desertificação, variabilidade das monções, atividade ciclônica no Atlântico e
oscilações de temperatura na zona extratropical.
Os resultados físicos das mudanças químicas: a intervenção antrópica.
A intensificação do efeito estufa e o aquecimento global. O buraco na camada de ozônio.
O uso intensivo do solo e a desertificação. Os países de megadiversidade biológica.
- A agenda internacional ambiental e o movimento ambientalista.
As diferentes visões do ambientalismo.
- Políticas públicas ambientais e o ambientalismo no Brasil.
Políticas de gestão dos recursos hídricos. O uso dos aqüíferos. Políticas de conservação da diversidade biológica brasileira.
As unidades de conservação no Brasil.
1. O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E O ESPAÇO URBANO-INDUSTRIAL
- O papel da acumulação de capital e o Estado na organização do espaço urbano-industrial.
- O desenvolvimento industrial desigual e suas repercussões no espaço mundial.
- Os diferentes processos de industrialização.
- Os fatores de localização industrial e sua relação com as cidades.
- O espaço da circulação e o papel do setor terciário nas cidades.
- A rede de transportes e comunicações articulando diferentes escalas espaciais.
- O processo de urbanização e sua distribuição espacial.
- Redes e hierarquias, metropolização.
- A estrutura interna das cidades e os problemas urbanos (abastecimento, saneamento e saúde, habitação, etc.).
2. O ESPAÇO RURAL E AS RELAÇÕES COM O ESPAÇO URBANO-INDUSTRIAL
- A industrialização e a modernização da agricultura.
- A concentração da propriedade da terra.
- As relações cidade-campo e o êxodo rural.
- O espaço rural e as diferentes formas de organização da produção.
- As lutas sociais no campo.
- O processo de modernização e organização territorial da agricultura brasileira.
3. AS QUESTÕES DEMOGRÁFICAS
- Dinâmica populacional e políticas demográficas.
- A distribuição espacial da população, migrações internas e externas.
- Estrutura da população e suas transformações espaço-temporais.
- A diversidade e as questões étnico-culturais.
24
O ESPAÇO MUNDIAL
1. ESTRUTURA E DINÂMICA POPULACIONAL, DESEMPREGO E EXCLUSÃO SOCIAL.
- Mobilidade populacional: migração de trabalhadores, fluxo de turistas e de refugiados políticos.
- Tempo livre: diferenças geográficas e sociais.
O lazer e o entretenimento na sociedade atual: direito ao lazer e sua mercantilização. O turismo como atividade econômica e suas
diversas formas. Os impactos sócio-ambientais da atividade turística.
2. A DISTRIBUIÇÃO TERRITORIAL DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS.
- Os grandes centros econômicos e sua organização territorial.
- O espaço do modo de produção capitalista, as disputas imperialistas e a divisão internacional do trabalho
- Diversidade geográfica e socioeconômica da América Latina, África, Ásia e Oceania.
- A integração dos países pelas redes materiais e imateriais. As redes de transporte e a circulação de mercadorias e as redes imateriais:
fluxos de informação, de comunicação e de capital financeiro.
3. DO MUNDO BIPOLAR AO MUNDO MULTIPOLAR.
- Surgimento e crise do mundo bipolar: as potências coloniais, a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais, as superpotências, o
movimento dos países não alinhados, a corrida armamentista e a Guerra Fria.
- Implicações geopolíticas da desestruturação da União Soviética: crise e desagregação da URSS e a reestruturação política do leste
europeu.
- O mundo multipolar: a hegemonia mundial dos Estados Unidos e os novos pólos do poder mundial. As potências regionais.
- A organização do poder econômico e político mundial: os principais organismos internacionais, os blocos econômicos regionais, os
grandes grupos econômicos internacionais e as organizações não-governamentais.
- A emergência de conflitos regionais e a questão das identidades sócio-culturais: étnicas, tribais e religiosas.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ADAS, Melhem. Panorama Geográfico do Brasil. São Paulo: Moderna.
GARCIA, Hélio Carlos & GARAVELO, Tito Márcio. Geografia do Brasil: dinâmica e contrastes. São Paulo: Scipione.
MAGNOLI, Demétrio & ARAÚJO, Regina. A Nova Geografia: estudo de Geografia Geral, 2
o
Grau. São Paulo: Moderna
MAGNOLI, Demétrio & ARAÚJO, Regina. Projeto de Ensino de Geografia: natureza, tecnologias, sociedades.São Paulo: Moderna.
PEREIRA, Diamantino & SANTOS, Douglas & CARVALHO, Marcos de. Geografia: ciência do espaço – o espaço brasileiro. São
Paulo: Atual.
PEREIRA, Diamantino & SANTOS, Douglas & CARVALHO, Marcos de. Geografia: ciência do espaço – o espaço mundial. São
Paulo: Atual.
ROSS, Jurandyr L. Sanches et alii. Geografia do Brasil. São Paulo: EDUSP: Scipione.
SENE, Eustáquio de & MOREIRA, João Carlos. Espaço e Modernidade: temas da Geografia Mundial. São Paulo: Scipione.
VESENTINI, José William. Brasil: sociedade e espaço: Geografia do Brasil. São Paulo:Ática.
VESENTINI, José William. Sociedade e espaço: Geografia Geral e do Brasil. São Paulo:Ática.
PITTE, Jean-Robert (coord.). Geografia: A Natureza Humanizada. São Paulo: FTD.
ATLAS:
FERREIRA, Graça Maria Lemos & MARTINELLI, Marcelo. Atlas Geográfico. Espaço Mundial. São Paulo: Moderna.
SIMIELLI, Maria Elena. Geoatlas. São Paulo: Ática.
ENDEREÇOS ELETRÔNICOS:
Escolanet: www.escolanet.com.br
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis: www.ibama.gov.br
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: www.ibge.gov.br
Obs.: Sugerimos a atualização do material didático através das informações fornecidas pelas diferentes mídias.
25
HISTÓRIA
I. INTRODUÇÃO
Apresentamos à comunidade a nova matriz de competências do Programa de Ingresso para a área de História. Esta iniciativa partiu de
uma subcomissão composta por professores do Departamento de História da UFJF e do Ensino Médio, com objetivo de tornar
compatível o programa de História com a nova proposta apresentada nos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio, que se
estrutura em termos de habilidades e competências a serem desenvolvidas pelos alunos no decorrer das três séries do ensino médio.
Segundo a concepção que se apresenta aqui, a História deve ser entendida como uma área de conhecimento que propicia a reflexão sobre
as mudanças e permanências entre os diferentes momentos históricos. Nesse sentido, a noção de processo histórico é importantíssima
para a compreensão da dinâmica das sociedades.
Deve-se compreender o papel dos indivíduos na História, através das relações estabelecidas entre si e com o meio social, possibilitando a
transformação e reprodução de suas existências nas instâncias políticas, sociais, econômicas e culturais. Desta forma, o construir e o
reconstruir do conhecimento, através do estudo de diferentes sociedades, em diferentes tempos históricos, possibilita a criação de novas
referências para a compreensão do presente e atuação transformadora sobre o mesmo.
Pretende-se que o estudante possa entender a História como uma construção coletiva, o que se torna possível através da análise crítica
dos diferentes eventos, bem como do resgate do cotidiano das sociedades. Assim, deve-se sempre buscar a articulação dos
acontecimentos micro aos acontecimentos macro, buscando uma abordagem singular e ao mesmo tempo globalizante do processo
histórico. É necessário perceber que tais sociedades resultaram de multiplicidades temporais, espaciais, sociais, econômicas e culturais.
Pretende-se, igualmente, proporcionar aos alunos o conhecimento das diferentes formas pelas quais a História pode ser produzida. Nos
referimos às variadas fontes documentais, iconográficas, virtuais, orais etc., como meios de aproximação e construção do passado.
É necessário vincular o estudo da História à uma concepção humanista, crítica, analítica e associativa, impedindo a sedimentação de uma
visão utilitária e pragmática da disciplina e permitindo uma visão mais contextual do processo histórico. Nesse sentido, deve-se sempre
articular as instâncias econômicas, políticas, sociais e culturais na construção do processo histórico, sem que haja uma supremacia de
qualquer uma delas.
Torna-se fundamental que nesse processo de ensino-aprendizagem sejam valorizadas as diferentes habilidades do educando para além
dos conteúdos programáticos formais. Nos referimos às atividades e recursos didático-pedagógicos (material iconográfico, filmes,
documentários, dentre outros), que devem ser utilizados pelos professores em sala de aula e fora dela, possibilitando diferentes
experiências aos alunos, como parte dos conteúdos curriculares que devem ser desenvolvidos ao longo de uma determinada série do
ensino médio .
Partindo do pressuposto que a importância do estudo da História vincula-se ao entendimento e à transformação do presente, deve haver
um esforço, por parte dos professores, em articular cada item do programa com a compreensão dos fatos atuais.
Utilizar essa matriz de competências como baliza de uma formação mais ampla significa proporcionar ao aluno vastas e ricas
experiências que transcendem ao conteúdo programático sugerido.
II. DA DESCRIÇÃO
Como pensamento geral, o aluno deverá ser capaz de ter consciência que a História é um processo coletivo e cotidiano, ou seja, cada um
faz história e esta é um produto da coletividade. A partir dessa assertiva, o aluno deverá compreender a sua importância para a sociedade
em que vive e para o momento histórico vivenciado por essa mesma sociedade. Deverá adquirir consciência das formas de produção do
saber histórico e que a produção do conhecimento histórico é temporal, parcial e desvinculada da noção de verdades absolutas. Deverá,
ainda, estar consciente das diferenças culturais, econômicas e políticas que permeiam um mundo que se quer globalizado, para que possa
aceitá-las.
Finalizando esse processo de pensamento, o aluno deverá concluir que a História é a historia que ele vivência e que, ao tomar consciência
do passado, ele recebeu um importante instrumental para a reflexão e ação do seu dia-a-dia.
É importante destacar que a História é uma disciplina que tradicionalmente estabelece parcerias interdisciplinares com a economia, a
geografia, a filosofia, a sociologia, a psicologia, a linguística, a literatura, a antropologia e outras mais. Desta forma, cabe ao professor
ressaltar esta potencialidade junto aos alunos, de forma que atividades interdisciplinares sejam realizadas, constituindo-se em
oportunidades relevantes no processo ensino-aprendizagem.
Para que o aluno compreenda em que se constitui o ofício do historiador é conveniente também que tenha acesso e que aprenda a
manipular, na medida do possível, fontes primárias de diversos tipos tais como: documentos de época, iconografia, elementos da cultura
material, depoimentos orais e etc..
III. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS
Representação e comunicação
Deve o educando entender o conjunto de operações específicas do objeto de conhecimento do historiador, tais como : apontar; localizar;
nomear; ler; descrever; identificar ; reconhecer; indicar; sintetizar. Tais operações devem estar vinculadas aos procedimentos com as
fontes documentais, iconográficas, orais, ou quaisquer outras tecnologias contemporâneas disponíveis para serem utilizadas no processo
de ensino-aprendizagem.
26
Investigação e compreensão
Deve o educando desenvolver a capacidade de realizar operações de investigação, tais como: organizar; sistematizar; associar;
interpretar; comparar; justificar; compreender. Tais operações devem estar associadas à compreensão de teorias como fruto do processo
científico de produção do conhecimento histórico, ou seja, deve o educando relativizar as diversas concepções de tempo e as diversas
formas de periodização do tempo cronológico, reconhecendo-as como construções culturais e históricas. Deve compreender e interpretar
os eventos históricos como fruto da ação diferenciada dos homens nas suas relações entre si e com o meio social.
Contextualização socio-cultural
Deve o educando reconhecer a História como fruto das relações sociais, dentro de um determinado contexto social, cultural, político e
econômico, no qual se articulam todas essas instâncias. Deve realizar operações mais complexas, tais como: analisar; deduzir; antecipar;
explicar; avaliar; abstrair; criticar; prognosticar; concluir. Deve articular seus conhecimentos com outras áreas do conhecimento, como a
geografia, filosofia, sociologia, etc. Comparar problemáticas atuais e de outros momentos históricos. Posicionar-se diante de fatos
presentes a partir da interpretação de suas relações com o passado.
DETALHAMENTO
Representação e comunicação
C1 - Criticar, analisar e interpretar fontes documentais de natureza diversa, reconhecendo o papel das diferentes linguagens, dos
diferentes agentes sociais e dos diferentes contextos envolvidos em sua produção.
C2 - Produzir textos analíticos e interpretativos sobre os processos históricos, a partir das categorias e procedimentos próprios do
discurso historiográfico.
Investigação e compreensão
C3 - Relativizar as diversas concepções de tempo e as diversas formas de periodização do tempo cronológico, reconhecendo-as como
construções culturais e históricas.
C4 - Estabelecer relações entre continuidade/permanência e ruptura/transformação nos processos históricos.
C5 - Construir a identidade pessoal e social na dimensão histórica, a partir do reconhecimento do papel do indivíduo nos processos
históricos simultaneamente como sujeito e como produto dos mesmos.
C6 - Atuar sobre os processos de construção da memória social, partindo da crítica dos diversos “lugares de memória” socialmente
instituídos.
Contextualização sócio-cultural
C7 - Situar as diversas produções da cultura – as linguagens, as artes, a filosofia, a religião, as ciências, as tecnologias e outras
manifestações sociais – nos contextos históricos de sua constituição e significação.
C8 - Situar os momentos históricos nos diversos ritmos da duração e nas relações de sucessão e/ou de simultaneidade.
C9 - Comparar problemáticas atuais e de outros momentos históricos.
C10 - Posicionar-se diante de fatos presentes a partir da interpretação de suas relações com o passado.
IV. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/DESCRIÇÃO DAS COMPETÊNCIAS E HABILIDADES
Orientações Gerais: O Programa não cobra o estudo de casos específicos – trabalha de maneira geral, destacando o processo histórico.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DESCRIÇÃO
COMPETÊNCIAS E
HABILIDADES
1. Antigüidade Clássica: Grécia e Roma - Conhecer as instituições políticas gregas e
romanas, a exemplo da democracia grega, da
República e do Direito Romanos.
- Compreender a escravidão antiga e as outras
formas de exploração do trabalho.
- Compreender as contribuições que os gregos e
os romanos prestaram no campo artístico,
cultural, filosófico, lingüístico, religioso e
jurídico.
C1; C3; C4; C5; C7; C8
27
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DESCRIÇÃO COMPETÊNCIAS E
HABILIDADES
2. Formação e consolidação do Mundo
Medieval
O feudalismo e a organização social: cultura
e religião.
- Entender a consolidação do processo de
mudança e a formação de uma sociedade nova e
original.
- Compreender a formação do mundo medieval a
partir de diferentes instâncias, tais como: a
econômica, a mental, a política e a cultural.
C1; C4; C7; C8
3. Urbanização, desenvolvimento
comercial e fortalecimento da burguesia
européia, na Baixa Idade Média.
- Entender a retomada do desenvolvimento
urbano-comercial como fator primordial para as
mudanças que se encadearam na época.
- Apreender as modificações na esfera da
cultura, da sociedade, da política e da economia.
C1; C2; C4; C5; C6; C7; C8; C10
4. Mundo Islâmico - Conhecer a organização cultural e religiosa do
mundo islâmico, bem como sua contribuição à
sociedade européia.
- Entender a cultura islâmica na atualidade.
C1; C3; C4; C7; C8; C9; C10
5. A Construção do Mundo Moderno
A crise do feudalismo europeu
Expansão Marítima Européia: Portugal e
Espanha
Humanismo e Renascimento
Reforma, Contra-Reforma e Inquisição
Revoluções Inglesas do século XVII
O Estado Absolutista: os casos de Portugal,
Espanha e França.
Mercantilismo e Colonização
- Entender a conjuntura de transição do
feudalismo ao capitalismo, levando-se em conta
os aspectos políticos, econômicos, sociais e
culturais.
- Compreender a formação e estruturação dos
Estados Absolutos.
- Compreender as distinções e similitudes entre a
escravidão antiga e a escravidão moderna.
C1; C2; C3; C4; C5; C6; C7; C8;
C10
6. A Colonização Européia na América
A Conquista e formação dos Impérios
Coloniais na América
A América Ibérica
A América Inglesa
- Discutir o confronto de culturas no processo
das conquistas.
- Compreender as formas de trabalho e produção
econômica; organização político-administrativa;
cultura e sociedade na América Inglesa e na
América Ibérica.
- Analisar a ocupação territorial e povoamento
no Brasil Colônia.
C1; C2; C3; C4; C5; C6; C7; C8;
C10
7. A Era das Revoluções: formação do
Mundo Contemporâneo
- Entender os fundamentos político-ideológicos
do mundo contemporâneo e o seu paralelo com a
atual conjuntura.
C1; C2; C3; C4; C5; C6; C7; C8;
A Crise do Antigo Regime
A Independência dos EUA
Iluminismo
Revolução Francesa e o Império Napoleônico
Revolução Industrial
Independência das colônias espanholas
Independência do Brasil
- Entender a importância das mudanças
processadas com o advento das Revoluções
Burguesas e Revolução Industrial, bem como as
modificações processadas no mundo do trabalho
(proletariado e burguesia).
- Entender, de maneira específica, os processos
de independência dos Estados Unidos e do
Brasil.
- Compreender os elementos comuns no
processo de independência das colônias
espanholas.
C10
8. As Américas no século XIX
A formação dos Estados Nacionais na
América Espanhola
Os EUA: Guerra de Secessão e a organização
do Estado.
- Compreender os elementos em comum no
processo de formação dos Estados Nacionais nas
Américas – reformas liberais, transformação do
trabalho compulsório, caudilhismo.
C1; C4; C8; C10
9. O Brasil no século XIX
A construção do Estado Imperial Brasileiro
Sociedade e Cultura no Brasil do Séc XIX
A economia cafeeira
A crise do trabalho escravo e imigração
A crise do Império e a instauração do Regime
Republicano
- Entender a formação e a organização política
do Estado brasileiro e a opção pela monarquia
constitucional.
- Compreender os traços gerais da evolução e
organização política do período.
- Compreender as questões referentes ao
processo social – a crise do trabalho do escravo e
a transição do trabalho livre.
- Compreender o movimento republicano e a
implantação do novo regime.
C1; C2; C4; C5; C6; C7; C8; C10
28
10. A Europa no século XIX
Unificações Italiana e Alemã;
Contestações a ordem liberal burguesa:
movimento operário, socialismo, anarquismo
e comunismo.
Imperialismo e Neocolonialismo na Ásia,
África e América.
- Identificar as relações entre o contexto políticoeconômico
do século XIX e a emergência das
doutrinas sociais do período.
- Compreender o caráter tardio das unificações –
associar e comparar com processos históricos
semelhantes e anteriores.
- Entender o significado da expansão
imperialista para o mundo contemporâneo.
- Relacionar o processo de exploração neo-colonial
à situação social e econômica vivida hoje
pelos países que foram colonizados.
C1; C4; C5; C7; C8; C10
11. Brasil: da implantação da República às
mudanças dos anos vinte.
- Estudar a consolidação do Estado Oligárquico e
sua base coronelística.
- Compreender a dinâmica da economia cafeeira
e do processo de industrialização.
- Refletir sobre as diferentes formas de resistência
ao domínio agrário conservador, através do
estudo dos movimentos sociais urbanos e rurais,
principalmente o movimento operário.
C1; C2; C4; C5; C6; C7; C8
12. Crise do Capitalismo: Guerras e
Revoluções
Primeira Guerra Mundial
Revolução Russa de 1917
Crise de 1929 e a Grande Depressão
Os regimes totalitários e a Segunda Guerra
Mundial
- Assimilar os antecedentes, o conflito
propriamente dito, e o contexto da Revolução
Russa e do pós-Primeira Guerra.
- Entender as origens, o desenvolvimento e os
reflexos da crise de 1929 e as mudanças
ocorridas nas relações entre estado e economia.
- Compreender as origens e ascensão dos
regimes autoritários, principalmente na Itália e
Alemanha.
- Relacionar a emergência das doutrinas nazifascistas
à situação econômica e social do
período.
- Posicionar-se em relação ao papel dos meios de
comunicação de massa e da indústria cultural do
período.
- Relacionar os resultados das Guerras ao
redesenho do mapa europeu e à reconstrução de
áreas de influência.
- Relacionar as guerras mundiais entre si.
- Estudar a formação e expansão de ideologias
racistas e de inspiração nazistas até a atualidade.
C1; C5; C6; C7; C1; C5; C8; C9;
C10
13. Brasil do entre-guerras
A crise política dos anos Vinte e Trinta
O Estado Novo de Vargas (1937-1945):
política, cultura, sociedade, economia.
- Compreender as mudanças ocorridas ao longo
da década de 20, sobretudo, após a I Guerra
Mundial, no campo cultural, político e econômico
e social que confluíram na Revolução de 1930
- Compreender o processo de ampliação e
consolidação da legislação social.
- Compreender as principais características do
desenvolvi-mento econômico, sobretudo
industrial, do período.
- Conhecer a produção cultural brasileira durante
o Estado Novo.
C1; C2; C4; C5; C6; C7; C8; C10
14. A bipolarização e a Guerra Fria
Principais tensões nas áreas de influência
A expansão socialista
O estado de bem-estar social
A descolonização da África e da Ásia
C1; C2; C4;C7; C9; C10
15. Brasil: do fim do Estado Novo ao
Golpe militar de 1964
- Refletir sobre todo processo que resultou na
democratização da política brasileira a partir dos
últimos anos do Estado Novo.
- Compreender a evolução política e econômica
do Brasil no período.
- Conhecer as principais manifestações culturais
e sociais ocorridas no período.
C1; C2; C5; C6; C9
16. América Latina no pós-Segunda
Guerra Mundial
A Revolução Cubana
Os Governos Militares na América Latina
As relações entre os EUA e a América Latina
- Compreender a Revolução Cubana no contexto
da Guerra Fria.
- Compreender as características gerais e comuns
aos regimes autoritários no período.
C1; C2; C4; C5; C6; C8
29
17. O Brasil da ditadura militar
(1964-1985)
- Apreender as características políticas,
econômicas, sociais e culturais do período.
- Identificar os movimentos de contestação que
contribuíram para o declínio do regime.
C1; C2; C4; C5; C6; C9; C10
18. Brasil: da “Redemocratização” do
Brasil aos dias atuais
- Entender como se deu o processo de transição
democrática no Brasil.
C4; C5; C8; C9; C10
19. O Mundo contemporâneo
O fim do modelo socialista soviético e a crise
no Leste europeu
Globalização e Neoliberalismo
Guerras e Conflitos contemporâneos
- Refletir sobre a desagregação do bloco
socialista, a crise na URSS e suas repercussões
sociais e políticas.
- Entender o processo da globalização, seus
reflexos, suas implicações no terreno científico e
tecnológico e os impactos no mundo do trabalho.
- Identificar os principais conflitos
contemporâneos.
C1; C2; C4; C5; C6; C9; C10
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
A bibliografia apresentada a seguir deve ser observada apenas como uma referência, não podendo ser tomada apenas como única fonte de
formação e informação para o aluno. Recomenda-se que tanto o aluno quanto o professor fiquem atentos aos jornais, revistas,
documentários e outros meios de comunicação.
ALENCAR, Francisco. História da sociedade brasileira. 3ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Ao Livro Técnico, 1994.
AQUINO, Rubim Santos Leão de. História das sociedades: das comunidades primitivas às sociedades medievais. Rio de Janeiro: Ed.
Ao Livro Técnico, 1980.
AQUINO, Rubim Santos Leão de. História das sociedades: das sociedades modernas às sociedades atuais. 26ª ed. Rio de Janeiro: Ed.
Ao Livro Técnico, 1993.
AQUINO, Rubim Santos Leão de. História das sociedades americanas. 4ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Ao Livro Técnico, 1995.
CÁCERES, Florival. História Geral. 4ª ed. (ver. ampl. e atual.) São Paulo: Moderna, 1996.
DOMINGUES, Joelza Ester. História: o Brasil em foco. São Paulo: FTD, 1996.
KOSHIBA, Luiz. História Geral e Brasil – volume único. São Paulo, Atual.
MOTA, Myriam Becho. História das cavernas ao Terceiro Milênio. São Paulo: Moderna, 1997.
VICENTINO, Claudio. História para o ensino médio: história geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2001. (Série Parâmetros).
Revista Nossa História Rio de Janeiro: FBN/Ed. Vera Cruz – diversos números.
30
LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS
I. INTRODUÇÃO
Um ligeiro panorama sobre a cena contemporânea do ensino de linguagem é condição para uma compreensão das raízes definidoras da
matriz de competências de Língua Portuguesa e Literatura a ser proposta pelo Programa de Ingresso da Universidade Federal de Juiz de
Fora.
No embate promovido, nas duas últimas décadas, contra o ensino de Língua Portuguesa entendido como memorização e repetição de
regras gramaticais, muitos avanços tiveram lugar, mas muitos equívocos ganharam espaço.
Dentre as conquistas, está a socialização de alguns princípios acerca da linguagem, solidamente firmados pela Lingüística e ciências
afins, tais como: a identificação da diversidade lingüística como uma marca da diferença entre sujeitos, grupos sociais e culturas e não
como tarja de deficiência; o reconhecimento da linguagem como instrumento de interação, de construção de identidade, de construção
dos sentidos coletivos, ou seja, do conhecimento.
Dentre os equívocos maiores está a substituição da noção de aprendizagem da escrita/leitura como uma questão técnica que se resolve
com o ensino da gramática por um princípio de “criatividade” legitimador do “vale tudo”. É fato que as ciências da linguagem vêm nos
ensinando que um texto não é um pacote fechado de sentidos prontos e acabados e nem simplesmente um amontoado de frases e palavras
regidos por boas normas de ortografia, concordância, regência, pontuação. A construção/recepção de um texto (enquanto discurso)
implica conhecer, além de um código lingüístico específico (a Língua Portuguesa, seus recursos gramaticais, seu léxico), o mundo que
nos rodeia (o legado da herança e da experiência cultural), as pessoas com quem se interage e as situações específicas dessas interações.
Portanto, se não se chega à competência desejável de linguagem pela memorização e repetição, também não se vai até lá como uma nau
sem rumo.
Não se trata, pois, de hipertrofiar o caráter subjetivo da linguagem, dando aos alunos uma errônea noção de que a criação e a liberdade
individual são o parâmetro chave do discurso. Os usuários do discurso estão engajados nele não apenas enquanto indivíduos, mas
enquanto membros de grupos, instituições e culturas. Daí também – preservada a perspectiva dinâmica da relação contexto e discurso - o
peso da norma, das estruturas, do conhecimento partilhado na construção do discurso-como-prática-social.
Frente ao exposto, cumpre corrigir um equívoco: o que se critica no ensino da gramática, do texto é, em princípio, o que também se
repudia no ensino da Geografia, da Biologia, da Química...: a memorização insensata de regras, categorias, fórmulas inquestionáveis,
estáticas, sem nenhum vínculo com a vida dos sujeitos enquanto indivíduos ou enquanto cidadãos. É certo que, em qualquer área do
conhecimento, o domínio de categorias básicas e de uma terminologia específica é indispensável à participação nesse campo do saber,
mas a nomeação, a classificação dessas categorias não deve constituir-se como um fim em si mesmo. Assim, no que respeita ao ensino de
linguagem, importa a um aluno de Ensino Médio identificar, nomear e compreender categorias básicas da gramática da frase
(substantivos, verbos, pronomes...) que lhe sirvam como INSTRUMENTOS ANALÍTICOS, para que possa identificar e avaliar, por
exemplo, determinada escolha lexical ou sintática praticada pela variante formal da língua. Para essa reflexão precisará, contudo, dispor
também de categorias do discurso como noções acerca do gênero e do contexto em questão.
Não há, pois, como negar o aspecto lingüístico do discurso. Portanto, não há como deixar de ensiná-lo quando se pensa nas práticas
gramaticais efetivas da escrita e da oralidade. A questão está, pois, em compreender a função e os limites de uma gramática da frase
como instrumento de análise dos textos, do discurso.
É a partir dos pressupostos acima explicitados que se afirma a competência fundamental norteadora do ensino de Linguagem na escola
fundamental e média: levar o aluno ao domínio das práticas sociais de linguagem, ou seja, a ter versatilidade para se expressar de
diferentes maneiras em acordo com distintos cenários interativos; a compreender os diferentes discursos produzidos, de forma escrita ou
oral, na sociedade.
Vale ainda uma ressalva: pelo alcance dessa tarefa, não há como compreendê-la como prerrogativa (ou obrigação) exclusiva dos
professores de Português. Todas as práticas educativas são práticas de linguagem. O fracasso ou sucesso dessas práticas está
intimamente relacionado com o exercício competente da mesma. Cabe, pois, a cada disciplina gerar caminhos para que os alunos sejam
capazes de lidar com os discursos produzidos naquela área de saber: nas exposições e discussões em sala de aula, nos exercícios e em
seus enunciados, nos livros didáticos e nos diferentes textos de divulgação científica que circulam na sociedade.
II. COMPETÊNCIAS
Quanto às competências a serem consideradas nos exames de seleção na disciplina de Língua Portuguesa, propomos uma matriz
estruturada a partir de agrupamentos de gêneros discursivos, entendendo como gêneros os diferentes e inumeráveis tipos de textos que
circulam na sociedade, como: notícia, carta, texto científico, romance, crônica, receita...1. São cinco os agrupamentos propostos:
NARRAR/RELATAR, ARGUMENTAR, EXPOR, INSTRUIR e “POETAR”. A distribuição desses tipos nas três séries do Ensino
Médio seria a seguinte:
SÉRIE AGRUPAMENTO POR SÉRIE AGRUPAMENTOS COMUNS ÀS SERIES
1ª Instruir (textos instrucionais)
Narrar/relatar (textos ficcionais e não ficcionais)
2ª Expor (textos expositivos) “Poetar” (poesias)
3ª Argumentar (textos argumentativos)
1
Os gêneros próprios à oralidade, ainda que de fundamental importância no trabalho escolar, não serão aqui considerados dado o
fato de a matriz de competência ter em foco uma avaliação restrita à escrita e à leitura.
31
Em cada um dos agrupamentos propomos dois campos de competência:
(1) Domínio das estratégias de leitura e escrita dos diferentes gêneros e
(2) Domínio de recursos lingüísticos utilizados na construção dos diferentes gêneros.
Nos dois campos, algumas habilidades lingüísticas e discursivas foram colocadas em relevo em determinado agrupamento, o que não
implica afirmar que não sejam importantes no trato dos demais tipos textuais. O conjunto de competências a seguir contempla as
habilidades a serem consideradas no trabalho com todos os agrupamentos de gêneros.
Na construção e recepção dos gêneros, o aluno deve ser capaz de identificar, analisar e empregar:
- estruturas textuais dos diferentes domínios de gêneros;
- recursos próprios ao padrão escrito na organização textual: paragrafação, periodização, pontuação (e outros sinais gráficos), ortografia
oficial;
- recursos característicos de registros diferentes (formal/informal): construções sintáticas, escolhas lexicais, marcadores discursivos e
expressões referenciais adequados;
- recursos não-verbais como ilustrações, fotos, gráficos, tabelas...;
- traços definidores das molduras textuais: suporte textual (jornal (cadernos, seções), revista, folheto, livro (índice, sumário,
introdução...)) e demais elementos de referência contextual como autoria, destinatário, data/época...
QUADRO 1
DOMÍNIOS
SOCIAIS DA
COMUNICAÇÃO
(TIPOLOGIA)
SUGESTÕES DE
GÊNEROS
CAMPOS DE
COMPETÊNCIA
DESCRITORES
LEITURA ESCRITA
NARRARRELATAR
- Cultura literária
ficcional.
- Documentação e
memorização das
ações humanas.
FICÇÃO:
CONTO,
ROMANCE.
NÃO-FICÇÃO:
NOTÍCIA,
EPORTAGEM,
RELATO
BIOGRÁFICO.
Domínio das
estratégias de
leitura e escrita dos
diferentes gêneros.
- Reconhecer a especificidade estrutural
dos gêneros;
- Reconhecer o narrador, suas estratégias
de distanciamento e sua função na
narrativa;
- Reconhecer enredo e trama;
- Identificar o foco narrativo;
- Reconhecer os personagens e sua
função narrativa;
- Identificar tempo e espaço na
narrativa;
- Identificar o(s) conflito(s) narrativo(s)
e relacioná-lo(s) com o contexto original
de produção do texto;
- Reconhecer diferentes estilos
narrativos;
- Identificar os diferentes objetivos
comunicativos e suportes dos gêneros
textuais;
- Reconhecer a função da descrição na
estrutura narrativa.
- Produzir narrativas
completas, observando
características e objetivo
dos diferentes gêneros;
- Produzir paráfrases ou
resumos dos diferentes
gêneros.
Domínio de
recursos
lingüísticos
utilizados na
construção dos
gêneros.
Reconhecer, analisar e empregar:
- diferentes recursos formais adequados à inserção da fala dos
personagens: marcadores de tempo verbal, de referenciação,
pontuação, verbos de elocução, advérbios modalizadores;
- recursos lingüísticos utilizados na progressão temporal:
tempo/modo verbal, conectores de temporalidade;
- valor de uso de recursos formais de coesão referencial (retomada
pronominal, repetição, substituição lexical, elipse...) na construção
de personagens, espaço;
- valor expressivo das seleções lexicais (adjetivações, nomes,
verbos...) na descrição de ações, personagens, espaço;
- marcas lingüísticas características de diferentes dialetos e registros
no discurso do narrador e personagens;
- valor expressivo da pontuação.
32
QUADRO 2
DOMÍNIOS
SOCIAIS DE
COMUNICAÇÃO
(TIPOLOGIA)
SUGESTÕES DE
GÊNEROS
CAMPOS DE
COMPETÊNCIA
DESCRITORES
LEITURA ESCRITA
ARGUMENTAR
- Atitude
comunicativa:
FAZER CRER.
ARTIGO DE
OPINIÃO,
EDITORIAL,
RESENHA
CRÍTICA,
CARTA DE
LEITOR,
TEXTO
PUBLICITÁRIO
Domínio de
estratégias de
leitura e escrita de
textos
argumentativos.
- Identificar tema, tese, argumento;
- Identificar diferentes
procedimentos argumentativos
(exemplificação, comparação,
retificação, contraposição,
explicitação);
- Analisar a seleção de argumentos
para corroboração da tese;
- Analisar percurso argumentativo;
- Avaliar a propriedade e coerência
da tese, argumentos e conclusões
tecidos;
- Reconhecer o uso da ironia;
- Posicionar-se diante do texto.
- Apresentar uma tese;
- Produzir argumentos pertinentes;
- Produzir argumentos de natureza
distinta;
- Utilizar dados fornecidos;
- Elaborar percurso argumentativo
lógico;
- Utilizar, com propriedade,
o discurso do outro
(inserção, citação).
Domínio de
recursos
lingüísticos
utilizados na
construção dos
gêneros.
Reconhecer, analisar e utilizar:
- recursos de modalização do discurso como verbos modais, tempomodo
verbais, advérbios, adjetivos, construções sintáticas;
- recursos de coesão seqüencial na construção das relações de causa,
conseqüência, temporalidade, comparação...;
- procedimentos formais de inserção e citação do discurso de outro;
- organização dos parágrafos na constituição de tópicos e seqüência
argumentativa.
QUADRO 3
DOMÍNIOS
SOCIAIS DE
COMUNICAÇÃO
(TIPOLOGIA)
SUGESTÕES DE
GÊNEROS
CAMPOS DE
COMPETÊNCIA
DESCRITORES
LEITURA ESCRITA
EXPOR:
- Atitude
comunicativa:
FAZER SABER.
- Transmissão e
construção de
saberes.
TEXTOS
DIDÁTICOS,
ENCICLOPÉDICOS,
CIENTÍFICOS.
Domínio das
estratégias de
leitura e escrita dos
diferentes gêneros.
- Reconhecer a especificidade
estrutural de textos expositivos:
- Relação tópico/subtópico na
progressão temática;
- Hierarquia da informação:
- generalização/especificação
(dedução);
- especificação/generalização
(indução).
- Procedimentos de exemplificação,
analogia ...
- Manusear obras de referência e
nelas buscar informações
(dicionário, enciclopédia, gramática...).
- Tomar notas;
- Resumir;
- Esquematizar;
- Resenhar;
- Relatar experiência
científica;
- Referenciar outros textos
(bibliografia, citações);
- Construir definições
conceituais.
Domínio de
recursos
lingüísticos
utilizados na
construção dos
gêneros
Reconhecer, avaliar e utilizar:
- marcas lingüísticas de impessoalização discursiva (distanciamento
do sujeito em relação a seu tempo e espaço): construções passivas,
indeterminação do sujeito, uso de 1ª pessoa do plural ...;
- recursos de modalização do discurso (cf. quadro do argumentar);
- recursos de coesão seqüencial: relações sintático-semânticas
(disjunção, explicação/estabelecimento de relação causal, conclusão,
comparação, contraposição, exemplificação, retificação...);
- procedimentos de coesão referencial (retomada pronominal,
repetição, substituição lexical, elipse);
- registro formal próprio dos gêneros expositivos: construções
sintáticas (normas de concordância, regência), escolhas lexicais (uso
de jargão, normas ortográficas) e pontuação adequada;
- relações lexicais: hiperonímia, sinonímia, antonímia...
33
QUADRO 4
DOMÍNIOS
SOCIAIS DE
COMUNICAÇÃO
(TIPOLOGIA)
SUGESTÕES DE
GÊNEROS
CAMPOS DE
COMPETÊNCIA
DESCRITORES
LEITURA ESCRITA
INSTRUIR,
PRESCREVER
(textos instrucionais)
- Atitude
comunicativa:
FAZER AGIR.
- Orientação,
regulação de
comportamentos.
MANUAIS DE
INSTRUÇÃO,
REGULAMENTOS,
RECEITAS,
REGRAS DE
JOGO,
ENUNCIADOS
DE
EXERCÍCIOS
Domínio das
estratégias de
leitura e escrita dos
diferentes gêneros
- Reconhecer a especificidade
estrutural de determinados gêneros
(regras de uso, de jogos, receitas...):
seqüência ordenada e/ou
hierarquizada: ação 1 + ação 2 +
ação 3 ... = resultado ou produto;
- Compreender e analisar
enunciados de exercícios em
diferentes áreas de conhecimento
(Matemática, História, Biologia...);
- Manusear textos instrucionais e
neles buscar informações para ação.
- Criar ou registrar regras
para jogos;
- Criar regulamentos;
- Criar ou registrar regras de
uso.
Domínio de
recursos
lingüísticos
utilizados na
construção dos
gêneros.
Reconhecer, analisar e utilizar:
- procedimentos lingüísticos de seqüenciação/hierarquização de
ações (conectores, pontuação, organização em tópicos...);
- procedimentos de coesão referencial na construção de regras,
normas;
- escolhas verbais características desse agrupamento de gêneros:
verbos performativos; valor de uso de tempos e modos
predominantes (imperativo, infinitivo, futuro do presente).
QUADRO 5
DOMÍNIOS
SOCIAIS DE
COMUNICAÇÃO
SUGESTÒES
DE GÊNEROS
CAMPOS DE
COMPETÊNCIA DESCRITORES - LEITURA
LER POESIA
POEMAS
(poetas
representativos do
cânon brasileiro e
português)
Domínio dos
processos de
composição da
poesia.
- Reconhecer e avaliar os recursos de composição de poesia (rima,
ritmo, assonância, aliteração, pontuação);
- Inferir os sentidos que se geram a partir das estratégias específicas
de construção do texto poético;
- Identificar e analisar transferências figurativas (metáfora,
metonímia) na elaboração da linguagem poética;
- Reconhecer a relação entre o texto e o contexto de produção (época,
situação social).
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
A listagem de títulos proposta abaixo destina-se ao PROFESSOR, buscando subsidiar o ensino de Português na perspectiva recortada
pela matriz de competências do processo seletivo. Vale ressaltar, portanto, que tais títulos não devem ser considerados como material
didático, diretamente apropriável pela prática pedagógica. Insiste-se ainda na natureza não-exaustiva desta listagem.
1. Análise Gramatical
CUNHA, C., F.L.LINDLEY CINTRA. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Rio: Nova Fronteira,1985.
MIRA MATEUS, M.H et al. Gramática da Língua Portuguesa. Lisboa: Caminho, 1987.
2. Análise Textual
BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de Linguagem, Textos e Discurso. São Paulo: Educ-Editora da PUC-SP, 1999.
FARIA,I.H. et al (org). Introdução a Lingüística Geral e Portuguesa. Lisboa: Caminho, 1996.
GERALDI, J.W. Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
KATO, M. No Mundo da Escrita. São Paulo: Ática, 1987.
KATO, M. O Aprendizado da Leitura. São Paulo: Martins Fontes, 1990.
KLEIMAN, A. (org.). Os Significados do Letramento. São Paulo: Mercado das Letras, 1995.
KLEIMAN, A. Oficina de Leitura. Campinas: Pontes, 1993.
KOCH, I. V. A Coesão Textual. São Paulo: Contexto, 1990.
KOCH, I. V, L.C. TRAVAGLIA.A Coerência Textual. São Paulo: Contexto, 1990.
MUSSALIM, F., A. C BENTES. (org.). Introdução à Lingüística - domínios e fronteiras. vol. 1 e 2. São Paulo: Cortez, 2000.
SOARES, Magda. Linguagem e Escola. São Paulo: Ática,1980.
TRAVAGLIA, L.C. Gramática e Interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. São Paulo: Cortez.
34
MATEMÁTICA
INTRODUÇÃO
O ensino de matemática apresenta-se, hoje especialmente, como um campo repleto de desafios. A transmissão de conteúdos e de
procedimentos matemáticos tal como vinha sendo privilegiada nas últimas décadas já não responde às exigências de uma sociedade em
que os valores da cidadania estão em pauta.
A matemática, na sua origem, constituiu-se a partir da necessidade humana de lidar com o mundo e agir sobre esse mundo. O processo de
construção do pensamento matemático em níveis cada vez mais complexos de abstração e de rigor, acabou por tornar a ciência
matemática uma ciência desvinculada dos aspectos mais concretos do viver cotidiano. Muitas vezes, pelo fato do professor não ter tido,
na sua formação, a oportunidade de discutir as questões referentes à constituição da ciência matemática, o ensino desta disciplina escolar
tem evidenciado um afastamento da compreensão e do raciocínio. Efetivamente, tem se privilegiado a aplicação de fórmulas e de
cálculos. Esse quadro agravava-se, ainda, pelo tipo de exame vestibular que dominava o quadro nacional. Ao exigir o treinamento de
procedimentos e não a sua compreensão; ao medir a capacidade de decorar fórmulas e algoritmos e não de expor raciocínios e
argumentações, o vestibular contribuía, ainda mais, para o agravamento dessa situação.
A partir das discussões que emergem pela constituição de uma nova área do conhecimento, a educação matemática, que, no Brasil,
encontra-se em pleno desenvolvimento, surgem novas questões e caminhos de superação são apontados. Os documentos nacionais têm
dado uma atenção especial às sugestões que resultam das pesquisas e estudos dos educadores matemáticos. Nesse sentido, os Parâmetros
Curriculares Nacionais e as Diretrizes para a Educação Básica propõem que, na área de matemática, se resgate o papel dessa disciplina
como um dos canais para a construção de um cidadão crítico, participativo, capaz de tomar decisões. Isso, certamente, implica numa
abordagem ao conhecimento matemático escolar em que as competências de estabelecer relações, raciocinar logicamente, fazer
inferências, descobrir regularidades, entre outras, sejam privilegiadas. Especialmente no Ensino Médio isso implica em trabalhar o
conteúdo matemático a partir de situações contextualizadas, seja em fatos do dia a dia seja em situações oferecidas pelas outras ciências
(física, química, biologia). Implica, também, propor aos alunos desafios que lhes permitam desenvolver o raciocínio argumentativo, o
estabelecimento de relações e as generalizações próprias do raciocínio abstrato e lógico.
Com a intenção de assumir essa aproximação no ensino da matemática, a UFJF, a partir da constituição de uma comissão com
representantes da comunidade e da própria universidade, construiu uma Matriz de Competências em Matemática, organizando os
descritores em cinco categorias, assim distribuídas:
C1 - ler, selecionar, interpretar informações;
C2 - representar matematicamente uma situação dada;
C3 - transpor informações de uma representação matemática para outra;
C4 - escolher uma estratégia adequada;
C5 - executar uma estratégia (aplicar um conhecimento).
A associação dessas competências às descrições do conteúdo matemático constitui o que chamamos de descritores. Trata-se, nesse
sentido, de colocar o foco não no conteúdo pelo conteúdo, mas na capacidade do aluno em desenvolver habilidades e competências que
lhe permitam desempenhar-se na resolução de situações-problema.
DESCRITORES
1. Geometria Plana
- (D1) Utilizar o conceito de semelhança e congruência em triângulos. (C5)
- (D2) Aplicar a noção de área de figuras planas. (C5)
- (D3) Calcular a área do círculo por aproximação de polígonos regulares (inscritos e circunscritos), levando à conceituação do número
irracional π. (C5)
- (D4) Calcular a área de regiões poligonais planas por composição e decomposição das figuras: triângulos, paralelogramo, trapézio,
hexágono, círculo. (C5)
- (D5) Aplicar as razões trigonométricas no triângulo retângulo (seno, cosseno e tangente). (C5)
2. Conjuntos Numéricos
- (D6) Reconhecer os números naturais, inteiros, racionais, irracionais e reais. (C1)
- (D7) Operar com conjuntos numéricos (união, interseção e diferença). (C5)
- (D8) Utilizar linguagem matemática para representação de intervalos reais. (C2)
3. Funções
Conceituação
- (D9) Aplicar o conceito de função como uma lei de transformação, como associação entre elementos de dois conjuntos. (C5)
- (D10) Aplicar o conceito de função e seus elementos (domínio, contradomínio e imagem), analítica ou graficamente. (C5)
- (D11) Utilizar a propriedade de crescimento e/ou decrescimento das funções. (C5)
- (D12) Interpretar a representação geométrica das funções (pontos de máximo ou de mínimo, significado das raízes, etc.). (C3)
Funções polinomiais
- (D13) Reconhecer uma função polinomial do 1º grau através do gráfico e / ou de sua lei, fazendo um estudo de suas particularidades
tais como: raiz, crescimento e decrescimento, coeficiente angular, coeficiente linear, estudo de sinal. (C3)
35
- (D14) Reconhecer uma função polinomial de 2º grau através do gráfico e / ou de sua lei, fazendo um estudo de suas particularidades
tais como: raízes, significado dos coeficientes (a, b, c), de máximo ou mínimo, conjunto imagem, estudo de sinal. (C3)
- (D15) Resolver equações e inequações de 1º e 2º graus associando-as às suas representações geométricas e à variação de sinais das
respectivas funções. (C5)
Funções logarítmicas e exponenciais
- (D16) Utilizar e representar analítica e graficamente o conceito de função exponencial (observar que casos simples de equações
exponenciais poderão ser explorados como decorrência de situações problema propostas). (C5)
- (D17) Utilizar equações exponenciais. (C5)
- (D18) Utilizar o conceito de logaritmos em diferentes bases e suas propriedades. (C5)
- (D19) Utilizar e representar analítica e graficamente o conceito de função logarítmica. (C5)
Obs.: Exclusão do item inequações exponenciais e logarítmicas.
1. Geometria Espacial
Retas e planos no espaço
- (D20) Identificar posições relativas entre retas no espaço. (C3)
- (D21) Identificar posições relativas entre retas e planos no espaço. (C3)
- (D22) Identificar posições relativas entre planos no espaço. (C3)
- (D23) Identificar as regiões do espaço determinadas por plano. (C3)
Sólidos
- (D24) Reconhecer a representação de sólidos no plano. (C3)
- (D25) Identificar, diferenciar e descrever as características (número de faces, vértices, arestas e ângulos) e propriedades (relações entre
faces, vértices, arestas e ângulos) dos poliedros regulares. (C2)
- (D26) Utilizar as características e propriedades dos poliedros na determinação de seus principais elementos (ângulos, números de faces,
arestas e vértices). (C5)
- (D27) Identificar, diferenciar e descrever a interseção de um plano com os principais sólidos geométricos (prisma, pirâmide, cilindro,
cone e esfera). (C4)
- (D28) Identificar na planificação da superfície total os principais sólidos geométricos. (C3)
- (D29) Utilizar a planificação para calcular a área da superfície total dos principais sólidos geométricos (poliedros, cones e cilindros).
(C5)
- (D30) Aplicar o cálculo do volume da pirâmide a partir da decomposição do prisma reto. (C5)
- (D31) Aplicar o cálculo do volume de cilindros e cones. (C5)
- (D32) Aplicar o cálculo da área da superfície e o volume da esfera. (C5)
2. Trigonometria
- (D33) Operar com ângulos e arcos no ciclo trigonométrico (graus e radianos). (C3)
- (D34) Relacionar medidas de ângulos e arcos no ciclo trigonométrico. (C3)
- (D35) Aplicar as razões trigonométricas no ciclo trigonométrico. (C5)
- (D36) Aplicar as relações entre as razões trigonométricas (sen
2
a + cos
2
a = 1; tg a = sen a/cos a; sec a = 1 / cos a; cossec a = 1 / sen a;
cotg a = cos a / sen a e demais relações que dessas decorram). (C5)
- (D37) Aplicar conceitos trigonométricos entre ângulos quaisquer (lei dos senos, lei dos cossenos, áreas). (C5)
- (D38) Utilizar e representar analiticamente e graficamente as funções trigonométricas: sen x, cos x e tg x. (C5)
- (D39) Utilizar equações trigonométricas do tipo: sen x = sen a; cos x = cos a; tg x = tg a. (C5)
- (D40) Utilizar inequações trigonométricas simples, do tipo: sen x > sen a; cos x > cos a; tg x > tg a; sen x <>

IPANEMA MG

TERMINAL RODOVIÁRIO DE IPANEMA - MG

Mural de Recados